São Paulo – A suposta brincadeira de um funcionário alcançou proporções catastróficas nasredes sociais e colocou a rede de supermercados Carrefour da Argentina em maus-lençóis logo no começo de 2014.

A crise começou quando um consumidor notou algo estranho na composição do pudim sabor baunilha que havia acabado de adquirir numa unidade do grupo francês em Buenos Aires.

Entre os ingredientes indicados na embalagem, estavam 12 gramas de cocaína. Uma fotografia do produto foi divulgada nas redes sociais, e rapidamente viralizou originando uma enxurrada de críticas e piadas dos consumidores, centralizadas na hashtag#BudinConCocaina

Para conter os prejuízos à sua imagem, a rede pediu desculpas a seus clientes em comunicado oficial, alegando que “houve uma adulteração na etiqueta”. “Foi uma brincadeira de mau gosto por parte de um funcionário da empresa que fornece os pudins da nossa marca”, explicou a empresa em post em sua fanpage oficial no Facebook

“Desejamos transmitir tranquilidade aos nossos clientes, garantindo-lhes que não existe nenhum componente estranho nos pudins da marca Carrefour como se mencionou nas redes sociais”, completa o texto. 

Mesmo com o posicionamento da marca, a repercussão entre os internautas não diminuiu, com mensagens pouco piedosas. “O Carrefour é o Pablo Escobar dos supermercados”, escreveu o usuário Leonardo Sánchez. “O que virá na sequência, torrones com pasta-base?”, gracejou o perfil Pibes Simples

(Exame Online)

Anúncios