A 8ª edição da Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul vai exibir 38 filmes por todo o território nacional, entre os dias 26 de novembro e 22 em Fortaleza. Os filmes dividem-se nas categorias: Mostra Competitiva de longas, médias e curtas, em que as plateias elegem os melhores filmes através de uma votação, Mostra Homenagem – Vladimir Carvalho e Mostra Cinema Indígena.

São filmes em formato digital que circulam pelas 27 capitais brasileiras e interior do país, alcançando mais de 600 pontos extras de exibição através de cineclubes, pontos de cultura, institutos federais de educação profissional, científica e tecnológica, universidades, museus, bibliotecas, sindicatos, associações de bairros, telecentros, entre outros. Em cada cidade, a programação se estende por seis dias, totalmente aberta ao público. Em Fortaleza, a exibição ocorre no Cine Benjamin Abrahão da Casa Amarela, na Avenida da Universidade, 2591, no Bairro Benfica

Iniciada em dezembro de 2006, em alusão ao aniversário da Declaração dos Direitos Humanos, a 8ª Mostra Cinema e Direitos Humanos na América do Sul é uma produção da Universidade Federal Fluminense (UFF), através do Departamento de Cinema e Vídeo, com apoio da OEI, UNIC-RIO, CTAv, EBC e patrocínio da Petrobras e BNDES.

Coordenador da oitava edição da Mostra e Chefe do Departamento de Cinema e Vídeo da UFF, o professor Cezar Migliorin reitera: “uma Mostra de Cinema e Direitos Humanos traz a possibilidade de estarmos recolocando constantemente a necessidade de pensarmos e praticarmos o que são os direitos universais das mulheres e homens do planeta. O cinema traz as perguntas e práticas dos direitos humanos para o cotidiano, para as narrativas e histórias de vida que frequentemente seguem à margem das grandes mídias ou das narrativas dominantes.

Além dos filmes constituintes de cada categoria, serão exibidos títulos convidados, compondo o Programa Especial, como é o caso do documentário produzido pela SDH – Paredes invisíveis: Hanseníase Região Norte – e dos filmes produzidos pela ONU: Os Descendentes do Jaguar, Transformer: AK, Colombia: Wayuu “Gold” e Argentina: Dreaming of a Clean River.

PROGRAMAÇÃO
9 de dezembro
18h abertura
A onda traz, o vento leva (28’) – Uma história de amor e fúria (75’)

10 de dezembro
14h –  Codinome Beija-Flor (16’) – Repare bem (95’)
16h –  O prisioneiro (24’) – Ilegal.co (70’)
18h –  Kene Yuxi, as voltas do Kene (48’)
20h –  Conterrâneos velhos de guerra (153’)

11 de dezembro
14h –  Caixa d´água: Qui-lombo é esse? (25’) – Doméstica (75’)
16h –  Brasília segundo Feldman (22’) – O país de São Saruê (80’)
18h –  Os dias com ele (107’)
20h –  Transformer AK-47s into gruitars (5’) – Colombia: Wayuu “Gold” (9’) – Argentina: Dreaming of a clean river (6’) – Los descendientes del jaguar (29’) – Paredes invisíveis: Hanseníase região Norte (37’)

12 de dezembro
14h –  As hipermulheres (80’)
16h –  Caíto (70’)
18h –  O evangelho segundo Teotônio (85’)
20h –  Acalanto (23’) – As Iracemas (84’)

13 de dezembro
14h –  Barra 68 – Sem perder a ternura (82’)
16h –  Maio, nosso maio (12’) – Insurgentes (83’)
18h –  Carga viva (18’) – A cidade é uma só (73’)
20h –  Bicicletas de Nhanderu (48’) – PI’ÕNHITSI – Mulheres xavantes sem nome (54’)

14 de dezembro
14h – Malunguinho (15’) – Paralelo 10 (87’)
16h –  Silêncio (12’) – Sibila (95’)
18h –  Leve-me pra sair (19’) – Kátia (74’)
20h –  Quando a casa é a rua (35’) -Em busca de um lugar comum (80’)

(CBN Foz)