O presidente russo, Vladimir Putin, superou o colega americano, Barack Obama, como o homem mais poderoso do mundo no ranking 2013 da revista Forbes, que tem o papa Francisco em quarto lugar em um total de 72 personalidades.

A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, aparece na 20ª posição, dois postos abaixo do resultado do ano passado.

A Forbes justifica a decisão de situar Putin como o novo homem forte do mundo porque ele “continua solidificando seu controle sobre a Rússia e o cenário internacional”, enquanto Obama perde espaço em seu segundo mandato na Casa Branca.

“O período de Obama de ‘pato manco’ parece ter chegado antes do que o previsto para um presidente de dois mandatos. Último exemplo: o caos da paralisia do governo”, afirma a revista. “Qualquer um que observe a partida de xadrez este ano sobre a Síria e os vazamentos da espionagem da NSA (Agência Nacional de Segurança) tem uma ideia clara da dinâmica de mudança de poder individual”, completa.

A lista tem o presidente chinês, Xi Jinping, em terceiro lugar, seguido do papa Francisco e da chanceler, alemã Angela Merkel.

O filantropo e fundador da Microsoft Bill Gates ocupa o sexto lugar, à frente do presidente do Federal Reserve (Fed, banco central americano), Ben Bernanke, e do rei Abdullah da Arábia Saudita (8º).

Além de Dilma Rousseff e do Papa, o outro latino-americano em destaque é o magnata mexicano das telecomunicações Carlos Slim, classificado como o 12º mais poderoso do mundo, segundo a Forbes. Um outro mexicano também chama a atenção: o narcotraficante Joaquín “El Chapo” Guzmán, considerado o criminoso mais poderoso do mundo, na 67ª posição.

A revista americana levou em consideração quatro fatores para selecionar 72 pessoas: sobre quantas pessoas exercem poder; os recursos financeiros sob seu controle; se têm influência em mais de uma esfera; e como utilizam de maneira ativa seu poder para mudar o mundo.

Esta é a primeira vez que Putin lidera o ranking da Forbes, criado em 2009, e a segunda oportunidade em que Obama perde a primeira posição: em 2010 ele foi superado pelo então presidente chinês Hu Jintao.

Em relação ao papa Francisco, o primeiro latino a virar chefe da Igreja Católica, sua eleição “infundiu uma nova energia à maior religião do mundo, com 1,2 bilhão de adeptos em todo o planeta”, destacou a Forbes no perfil de Jorge Mario Bergoglio.

“O primeiro jesuíta e latino-americano pastor de Cristo prega a compaixão pelos pobres e um papel maior para as mulheres, enquanto fez a Igreja deixar de se concentrar ‘apenas em questões vinculadas ao aborto, ao casamento homossexual e o uso de anticoncepcionais”, destaca.

O ranking deste ano também mostra a presenta mais mulheres (nove), em comparação com as seis incluídas em 2011 e 2012. Na primeira lista, de 2009, havia apenas três.

AFP

Anúncios