Yaya Touré

O racismo é algo, infelizmente, fortemente presente no futebol, principalmente no europeu. Na última semana, durante o jogo entre Manchester City e CKSA Moscou, na Rússia, o volante Yaya Touré, da equipe inglesa, foi vítima de racismo por parte dos russos e, indignado, enviou um comunicado à Uefa avisando que, caso providências não sejam tomadas, os jogadores negros boicotarão a Copa do Mundo de 2018, que será realizada na Rússia.

“É um problema real aqui, algo que acontece o tempo todo, e é claro que eles precisam resolver o problema antes da Copa do Mundo. Caso contrário, se não tivermos confiança para ir à Copa do Mundo na Rússia, nós não iremos “, disse o marfinense ao “Daily Mail”.

Na Rússia, o CSKA Moscou nega. Segundo dirigentes, Yaya Touré imaginou ter ouvido gritos de “macaco” e também garantiu que não tem responsabilidade sobre o ocorrido nas arquibancadas. “Nada de especial aconteceu. Ninguém mais, além Touré, ouviu alguma coisa”, completou o jogador.

Confira o comunicado emitido pelo clube russo criticando Tourénf

“Depois de termos estudado cuidadosamente o vídeo do jogo, não encontramos insultos racistas de torcedores do CSKA. Em muitas ocasiões, especialmente durante os ataques à nossa meta, torcedores vaiaram e assobiaram para colocar pressão sobre os jogadores rivais, mas, independentemente de sua raça. Por que o meio-campista marfinense tomou como tudo sendo direcionado para ele?’.

Não é o primeiro caso de racismo na Rússia. Jogadores como Roberto Carlos e Eto’o, que defenderam Anzhi, foram vítimas de racismo por parte da própria torcida e dos adversários.

Neto Roberti, Futnet

Anúncios