A máquina de hemodiálise do Hospital Universitário, o HU, da Universidade Federal do Piauí (UFPI) está ligada a um vaso sanitário de um dos banheiros do estabelecimento. A reportagem do sítio180graus teve acesso a imagens que comprovam esta situação.

(Imagem: Portal 180graus)

As máquinas de hemodiálise (tratamento que consiste na remoção do líquido e substâncias tóxicas do sangue como se fosse um rim artificial) precisam ter uma espécie de cano para entrar água e outro para drená-la.

Neste caso, a máquina do HU está despejando a água suja dentro do vaso, o que não é identificado como um procedimento normal, é claro. Segundo um médico que faz atendimento no HU e prefere não ser identificado, este é apenas um dos vários problemas naquele hospital.

SEM ‘CONDIÇÕES MÍNIMAS’

“O HU funciona sem as mínimas condições para qualquer gestor de saúde. O SUS e o Ministério Público precisam tomar as devidas providências urgentemente. Não há a abertura do centro cirúrgico e a UTI segue sem alteração de médicos. Um grupo de médicos está querendo discutir a situação junto à superintendência, mas é impossível”.

O médico denuncia ainda que o superintendente do HU desrespeita a categoria e não atende os apelos da classe, mesmo sendo comunicado pelo Conselho Regional de Medicina (CRM). “Os médicos estão unidos, mas são desrespeitados repetidas vezes pelo superintendente do HU. A situação está insustentável”, afirmou.

Inaugurado em novembro de 2012 (prestes a completar um ano de existência) com a promessa de melhorar o atendimento de média e alta complexidade, o HU acabou se transformando num monumento ao desperdício do dinheiro público.

Quando inaugurado, a expectativa era de que, num primeiro momento, o HU funcionasse com 50% de sua capacidade e 18 mil atendimentos por mês. Hoje em dia o atendimento não passa de 4 mil pessoas por mês.

(Imagens: 180graus)

360grauspi