Greve dos Bancários do Ceará em 2013 – Foto: SEEB-CE

Os bancários de todo o país ingressaram nesta quarta-feira (2) no 14º dia da sua greve nacional. Segundo balanço da Confederação dos Trabalhadores no Ramo Financeiro (Contraf), a paralisação já é a maior e a mais longa da história recente da categoria. Neste início de semana, a adesão à greve cresceu com o fechamento de 11.822 agências e centros administrativos em vários estados. Apesar disto, os bancos ainda se recusam a voltar à mesa de negociações, o que demonstra a sua intransigência e o desrespeito com os clientes.

Para Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do comando nacional dos bancários, “esta já é a maior greve da categoria dos últimos 20 anos. Não apenas a paralisação cresce a cada dia em todos os estados, como os bancários estão indo às ruas em manifestações e passeatas junto com outras categorias de trabalhadores, como ocorre esta semana com os petroleiros. A mobilização serve para demonstrar a indignação dos bancários com os bancos, que têm no Brasil os maiores lucros e a mais alta rentabilidade do sistema financeiro mundial, pagam salários milionários a seus executivos e desrespeitam os trabalhadores que produzem esses resultados”.

A greve nacional dos bancários foi deflagrada em 19 de setembro. Ela foi uma resposta à arrogância dos banqueiros, que em cinco rodadas de negociações propuseram apenas a reposição da inflação e recusaram as demais reivindicações da categoria. No primeiro dia de paralisação foram fechadas 6.145 agências e departamentos nos 26 estados e no Distrito Federal. Após quase duas semanas, a greve cresceu 79,2%. “O recado dos trabalhadores é claro. A greve continuará crescendo enquanto não houver aumento real, valorização dos pisos, melhoria da PLR, proteção do emprego, melhores condições de trabalho, mais segurança e igualdade de oportunidades”, conclui Carlos Cordeiro.

 por Altamiro Borges no Blog do Miro