A fonte principal de uma denúncia contra o programa que visa levar médicos a regiões remotas do País, publicada na Folha, é filiada ao PSDB; Desirée de Sá Barreto, secretária-adjunta de Saúde de Barbalha (CE), afirmou ao jornal que médicos brasileiros serão substituídos por cubanos, uma vez que, assim, a prefeitura deixará de gastar com os salários dos profissionais; em resposta, o Ministério da Saúde afirmou que as prefeituras que agirem desse modo serão excluídos do Mais Médicos; com a entrevista de Desirée à Folha, criou-se a percepção falsa de que médicos estrangeiros estão tomando postos de brasileiros 

247 – Uma denúncia contra o programa Mais Médicos, divulgada nesta sexta-feira pela Folha de S.Paulo, tem o carimbo do PSDB. O jornal informou ter identificado 11 cidades de quatro Estados que pretendem demitir médicos contratados pela Prefeitura a fim de substituí-los por profissionais do programa do governo federal, cujos salários serão totalmente bancados pela União. Desta forma, fariam economia nos cofres municipais, trocando o que seriam seus gastos por custos para o governo federal. O problema é que a principal fonte da reportagem é do ninho tucano.

“Eles só serão dispensados quando os novos se apresentarem, para poder fazer a permuta”, disse à Folha a secretária-adjunta de Saúde do município de Barbalha, no Ceará, Desirée de Sá Barreto. Desirée, que também é presidente do Conselho Municipal de Saúde, é filiada ao PSDB, segundo o TRE-CE, que possui seus dados de quando foi eleita vereadora na cidade. Sua proposta é apoiada pelo secretário da Saúde de Barbalha, Caio Melo, que declarou: “Se fosse possível, botaríamos todos [pelo] Mais Médicos, porque não teríamos o custo do salário mensal dos profissionais”.

A prática foi considerada inaceitável pelo Ministério da Saúde, que garantiu que a cidade que fizer esse tipo de troca de médicos será excluída do programa. “Os municípios que insistirem nessa questão [de substituição] nós vamos visitar e, se observada essa prática, os médicos serão remanejados e esses municípios serão excluídos do programa”, disse hoje o secretário de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde, Mozart Sales, após a publicação da denúncia.

Como se vê, o PSDB não apenas é um forte crítico do programa lançado no início de julho pela presidente Dilma Rousseff, que visa levar médicos brasileiros e estrangeiros a regiões pobres do País, como aparentemente pretende sabotar a iniciativa, ajudando a alimentar a percepção de que médicos estrangeiros estarão tomando vagas de brasileiros. 

(Brasil 247)

Anúncios