A estagiária de jornalismo da rádio CBN Curitiba, que registrou boletim de ocorrência contra um jornalista e colunista por assédio sexual, pediu demissão e deixou o veículo na última terça-feira (27). A informação foi confirmada pela CBN. A empresa afirmou que Mariana Ceccon pediu para deixar o cargo.

Em sua página no Facebook, a jovem se manifestou.

— Encerrei meu ciclo na Rádio CBN. Não porque eu concorde que eu SOU OBRIGADA MORALMENTE a sair do emprego (eu não sou obrigada a abrir mão de pequenas conquistas por falta de ética de outros funcionários) e sim porque hoje eu tive a certeza que eu fiz tudo o que estava ao meu alcance para melhorar a minha situação e a dos meus colegas.

Ela registrou um boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher, que deve investigar o caso. Segundo relato da vítima, divulgado pelo Sindicato dos Jornalistas do Paraná, o abuso aconteceu depois de um tempo em que ela começou a trabalhar no local. Durante a apresentação do jornal, segundo o relato, o suspeito se aproximou da mesa onde a jovem trabalhava “abaixou-se, tirou os cabelos do ombro dela” e disse: “Eu estou morrendo de tesão em você e ainda vou te montar, você vai ver”. Assustada, a jovem não teve reação.

Internautas se revoltam com caso de assédio na CBN de Curitiba Reprodução/Facebook

O caso, porém, vazou nas redes sociais no começo deste mês. Além de Mariana, outras mulheres que trabalham na empresa acusaram o suspeito de assédio sexual. Ainda segundo o sindicato, a gerência da emissora foi informada sobre o caso, mas não tomou atitude, o que teria causado uma paralisação dos jornalistas da rádio no dia 5 de agosto.

Três dos jornalistas se demitiram em forma de protesto: José Wille, diretor de jornalismo; Marcos Tosi, chefe de reportagem, e Álvaro Borba, âncora. Eles haviam investigado o caso, ouvindo cinco vítimas, entre estagiárias, telefonistas e secretárias. Os depoimentos foram registrados, na época, e encaminhados à direção da empresa.

Em nota, a CBN Curitiba informou que “em meados de julho passado, receberam denúncia de possível ocorrência de assédio sexual na emissora. No mesmo dia foi efetuado o afastamento do denunciado. As investigações estão a cargo da autoridade policial competente com a qual estamos colaborando”.

O Sindijor acompanha as investigações e encaminhará o relato ao Conselho de Ética da entidade para análise.

(R7)

Anúncios