Astronauta Marinho – Banda cearense de música instrumental mais bacana da cidade

A Feira da Música, realizada entre os dias 21 e 24 de agosto em Fortaleza, contou com forte presença dos músicos locais e mostrou que existe música independente de qualidade sendo feita na capital cearense. Grande parte das apresentações que ocorreram no festival são de músicos locais. Artistas que lutam para encontrar espaço dentro da cena musical de Fortaleza.

Uma das bandas que participaram da Feira da Música é a Astronauta Marinho. Caio Cartaxo, baixista da banda que abriu o evento na quarta-feira (21), acredita na música independente feita hoje na cidade. Para ela, a criação de circuitos e redes de colaboração pode ser uma saída para os artistas locais. “Hoje artista e produtor estão no mesmo nível e todo mundo tem que colaborar, se não for assim a gente não vai sobreviver. Tudo tá muito duvidoso, o qual vai ser, eu acho que é colaboração ou morte”.

Karine Alexandrino
Daniel Peixoto

Gilherme Alvez, bateirista da banda, considera que o pior momento para os artistas de Fortaleza já passou e também acredita que um dos caminhos é a colaboração. “Não tinha banda, não tinha onde tocar, não tinha luthier (profissional que fabrica e conserta instrumentos), talvez tivesse, mas ninguém ficava sabendo que tinha, não funcionava. Hoje você consegue ver o show de algum artista local independente todo fim de semana. Não esperando por parte dos realizadores com que aquilo aconteça, mas fazendo por si mesmo”.

Apesar de a situação da cena independente na capital cearense ter melhorado, alguns músicos radicados na cidade acabam buscando o mesmo caminho de artistas como Cidadão Instigado, Daniel Peixoto e Karine Alexandrino, que deixaram a capital cearense para viver de música em São Paulo.

Daniel Peixoto, que mora na capital paulista desde 2005, acredita que a obrigatoriedade do músico estar no sudeste ainda atrapalha um pouco as bandas. “Mesmo hoje com a facilidade da internet. É inegável que você tem que estar no Rio ou em São Paulo para aparecer e circular. A geografia é a maior dificuldade, você está aqui, você pode gravar aqui, pode tocar aqui, mas é complicado por exemplo você aqui no Ceará fazer tocar no Sul”.

Jonnata Doll, que pretende lançar o primeiro disco com sua banda “Jonnata Doll e os Garotos Solventes” em novembro, já se mudou para São Paulo, onde tem contato com o guitarrista do Cidadão, Fernando Catatau e o produtor Calil, e espera que os demais membros da banda façam o mesmo.

“A gente pretende se mudar para São Paulo porque infelizmente Fortaleza é uma cidade muito boa para se inspirar, para ter as experiências, para viver, tem muitas pessoas legais, mas não dá para viver do sonho aqui. São Paulo é difícil também, mas é mais fácil. Você tem mais opções pra tocar, tem muita gente que está disposta a ouvir e tem pessoas que eu conheço que estão lá e que dão uma força pra mim”.

(Leandro Melito, Portal EBC)

Anúncios