O policial militar Ivanildo Almeida Nery Júnior, 31 anos, atirou contra a própria cabeça depois de ter sofrido um acidente na manhã desta quinta-feira (15), em Feira de Santana, a 109 quilômetros de Salvador. Ele conduzia uma motocicleta que colidiu contra outra moto na avenida Maria Quitéria, no centro da cidade, por volta de 7h30. Com a colisão, o PM ficou preso embaixo de um carro de passeio. 

Após o acidente, Ivanildo disse que não estava sentido as pernas, pegou a arma e atirou. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) ainda tentou socorrer o PM, mas ele morreu a caminho do Hospital Clériston Andrade. 

“Houve uma colisão, a moto foi deslizando e ele caiu embaixo de um carro
que estava estacionado na rua sem ninguém dentro. As pessoas que presenciaram o acidente conseguiram retirá-lo e ele pediu a um popular que pegasse a arma dele, que havia caído”, explica a delegada Dorean Soares, da Delegacia de Homicídios de Feira de Santana. 

Uma mulher e um homem que estavam na moto atingida sofreram ferimentos leves e também foram levados pelo Samu para o Hospital Clériston Andrade. De acordo com a delegada, Ivanildo ainda quis saber como os dois estavam antes de atirar. “Ele ficou deitado no chão, colocou a arma na cintura e perguntou se o pessoal estava bem. Depois, ele falou que estava sentido muita dor e não sentia as pernas”. 

Ouvido na Delegacia de Homicídios nesta quinta-feira (15), um tio do policial contou que Ivanildo era tranquilo e, aparentemente, não estava passando por problemas. O pai e mãe do PM ficaram em estado de choque e ainda não tiveram condições de prestar depoimento. Além do tio, três testemunhas foram ouvidas na Delegacia de Homicídios nesta quinta-feira (15). 

A arma do policial, uma pistola 380, foi encaminhada para perícia no Departamento de Polícia Técnica (DPT). O caso está sendo tratado pela polícia como suicídio e ficará sob investigação da 1ª Delegacia. 

Em nota, a Polícia Militar informa que Ivanildo era lotado no 16º Batalhão da Polícia Militar (Serrinha) e integrava a Corporação desde 2008. O velório será realizado no Serviço de Assistência Familiar (SAF), na Avenida J.J. Seabra, no centro de Feira, nesta quinta-feira. Já o sepultamento está marcado para amanhã (16), na mesma cidade, em horário ainda não definido. 

Em reportagem publicada em julho, o CORREIO mostrou que depressão e outros problemas psicológicos atingem muitos policiais da corporação. Em 2013, fora o caso de hoje, quatro suicídios foram registrados. O número é considerado alto, pois, de acordo com números não oficiais, a média é de dois suicídios na corporação ao longo de um ano.

(Correio 24 Horas)