São Paulo – Se antes as metas que os operadores de telebanco do HSBC tinham que bater eram difíceis, agora ficaram praticamente impossíveis de ser atingidas. Essa é a avaliação dos próprios funcionários daquele setor.

O banco britânico determinou aumentos das vendas que variam de 13,5% a 15% com relação às metas anteriores para cinco famílias de produtos: cartões de crédito, crédito pessoal, proteção ao crédito, seguro de vida e título de capitalização. Apenas um produto teve redução da sua meta – de 25% –, mas só para os operadores do GMH – um dos setores do telebanco onde trabalham apenas 11 funcionários. Para o restante a meta se manteve.

O diretor da Fetec/CUT-SP Luciano Ramos ressalta que o Sindicato já cobrou explicações do HSBC e está aguardando uma resposta. “Não conseguimos entender o que o banco pretende com isso. As metas já são quase impossíveis de atingir”, critica.

Luciano salienta que o fim das metas abusivas é um dos principais eixos da Campanha Nacional. “Se o banco não voltar atrás nesse aumento excessivo, com certeza os operadores do telebanco terão mais um grande motivo para participar de forma contundente nesta campanha”, avalia.

(Rodolfo Wrolli – SEEB-SP)

Anúncios