São Paulo – Os lucros do Bradesco seguem batendo recordes. Na contramão dessa tendência está o número de postos de trabalho, que diminui a cada novo balanço divulgado. Por isso a questão da política de empregos da instituição integra a pauta de reivindicações dos bancários e faz parte da Campanha de Valorização dos Funcionários.

Em março de 2012, a instituição contava com 105.102 trabalhadores; no mesmo mês de 2013, o número de funcionários caiu para 102.793, variação negativa de 2,20%. Em contrapartida, em março de 2012 o lucro líquido do banco foi de R$ 2,79 bilhões. No primeiro trimestre deste ano os ganhos atingiram R$ 2,91 bilhões, aumento de 4,5%.

A diretora do Sindicato Erica Simões afirma que a falta de mão de obra é uma reclamação constante dos trabalhadores. “Além de cumprirem suas metas e viverem em constante pressão, os bancários ainda precisam efetuar o trabalho de três ou mais pessoas”, destaca a dirigente.

O bancário João (nome fictício). conhece bem essa realidade. “Quando um colega é demitido, normalmente não colocam outra pessoa para suprir a demanda e o que acontece é o acúmulo de tarefas. Isso atrasa toda a rotina do dia, inclusive os nossos horários de entrada e saída”, afirma.

De acordo com João, para piorar, os superiores não levam em consideração os desfalques de mão de obra causados pelas demissões. “A pressão pelo cumprimento das metas não diminui para os remanescentes, ela só aumenta. E o que dizem para nós é que se realmente quisermos continuar com nossos empregos, teremos de ‘nos virar’ para conseguir acumular as tarefas.”

A dirigente Érica Simões afirma que o Sindicato está atento ao problema e em cobrança permanente para que o banco reveja sua política de demissões e contratações. “Os cortes de postos de trabalho prejudicam a saúde e a eficiência dos remanescentes, que precisam administrar pressão dobrada e assédio moral para conseguir lidar com o acúmulo de tarefas. Por esse motivo, a ampliação do emprego é pauta permanente da Campanha de Valorização dos Funcionários do Bradesco”.

Campanhas – A campanha está percorrendo agências e concentrações do banco em todo o Brasil desde 7 de maio, com debates nos locais de trabalho e atividades de mobilização para pressionar o processo de negociação.

No dia 4 de junho foi lançado o curta-metragem da campanha, que tem como mote Bancário não é de lata é gente como você, gente de verdade! – alusão ao Homem de Lata, personagem do Mágico de Oz que queria ter um coração e ser visto como ser humano.

A produção foi idealizada para propagar as reinvindicações dos trabalhadores nas redes sociais. O vídeo, em formato de cinema mudo, conta ainda com a participação de personagem inspirado em Carlitos, de Charlie Chaplin.

Sindicalização – Também está nas agências e concentrações a campanha de sindicalização. O funcionário que quiser se sindicalizar deve solicitar a ficha de inscrição para o gerente administrativo, no caso das agências. Nas concentrações, procure o chefe de expediente. A campanha de sindicalização foi acordada com a direção do Bradesco.

(Rodolfo Wrolli – SEEB-SP)

Anúncios