Coy Mathis, 6 anos, foi diagnosticada com transtorno de identidade de gênero. Biologicamente é um garoto, mas se identifica como menina Foto: AP

O Estado do Colorado (EUA) reconheceu o direito de Coy Mathis, de seis anos e do sexo masculino, mas que se sente e se veste como menina, a usar o banheiro feminino de seu colégio, informou nesta segunda-feira a imprensa americana.

Ao passar da creche ao primeiro ano do ensino fundamental, a escola Eagleside Elementary considerou que Coy deveria deixar de usar o banheiro para meninas e começar a usar exclusivamente o destinado aos meninos, uma decisão que seus pais não aceitaram, por isso recorreram à Divisão de Direitos Civis do Colorado, dependente do governo do estado.

O Estado justifica sua decisão alegando que, segundo sua opinião, proibir Coy de usar os banheiros femininos – uma decisão da escola respaldada pelo distrito escolar – “cria um entorno hostil tanto objetiva como subjetivamente, assim como intimidatório e ofensivo”. 

Esta é a primeira vez que uma decisão deste tipo é tomada nos EUA em relação aos estudantes transexuais, o que foi comemorado pelo Fundo de Defesa Legal e Educação Transgênero. 

Durante os últimos meses, Coy Mathis – cujo passaporte e documento de identificação estadual a identifica como do sexo feminino – não foi à escola e estudou em casa por vontade de seus pais. 

“Estamos entusiasmados que Coy possa retornar à escola e ter os mesmos direitos do resto das meninas. Estamos extremamente contentes que vá ser tratada com igualdade e agradecemos a conclusão à qual chegou a Divisão de Direitos Civis”, afirmou Kathryn Mathis, mãe da criança.

(EFE)

 

Anúncios