Convocação feita pelo presidente do PT, Rui Falcão, para que militantes do partido fossem às ruas pode terminar mal; no Rio, militantes da CUT foram cercados e agredidos e tiveram suas bandeiras rasgadas; em São Paulo, pode haver confronto entre manifestantes ligados ao PT e a outras forças sociais; a líder do Movimento Passe Livre, Mayara Vivian disse hoje que concentração em separado de militantes do PT “é um equívoco”, mas que “todos são bem-vindos”; sublinhou, porém, que vitória não teve nada a ver com ação do partido; “Vitória é do povo”, diz nota oficial do MPL; íntegra

247 – A convocação feita pelo presidente do PT, Rui Falcão, para que a CUT e militantes do partido fossem às ruas pode terminar mal. Há instantes, militantes da CUT foram agredidos no Rio. Leia, abaixo, relato do Uol:

Cerca de 20 militantes da CUT (Central Única dos Trabalhadores) foram expulsos da concentração para o protesto contra o preço e a qualidade do transporte público marcado para a noite desta quinta-feira (20) no centro do Rio de Janeiro. Os militantes foram encurralados na esquina da avenida Presidente Vargas com a praça Pio 10, onde levaram socos e empurrões (continue lendoaqui).

Abaixo, reportagem anterior do 247, em que Mayara Vivian, do MPL, diz que a vitória não é do PT:

Mayara, do MPL: “essa vitória não é do PT”

247 – A reboque das manifestações estudantis que varrem o País e vão sendo responsáveis pela revogação de aumentos nas passagens de ônibus em praticamente todas as grandes cidades brasileiras, o Partido dos Trabalhadores terá dificuldades de recuperar o espaço perdido.

Em muitas das 180 mil confirmações de presença, feitas pela internet, para a manifestação desta tarde, a partir das 17h00, no extremo da Avenida Angélica com direção à Avenida Paulista, o PT é criticado como “oportunista”, “conservador” e “equivocado” em relação ao movimento. Organizador das marchas, que alcançam hoje a sétima versão, o Movimento Passe Livre se considera sem compromisso com nenhum partido político. Hoje, uma de suas líderes frisou que a vitória da revogação da tarifa paulistana “não é do PT”.

“Somos apartidários, o que não quer dizer que sejamos contra os partidos políticos”, disse nesta quinta, em concorrida entrevista coletiva, a estudante Mayara Vivian, da coordenação do MPL. “Mas uma coisa é clara: essa vitória não é do PT”. Ressalvou, no entanto, que “todos são bem-vindos ao ato”.

Mayara, porém, considerou “um equívoco” a iniciativa de militantes do PT de convocarem uma concentração da legenda a poucos metros, no mesmo horário, hoje, do ponto inicial da marcha do MPL. Essa situação pode colocar em conflito os dois grupos.

O presidente do PT, Rui Falcão, afirmou que “o partido vai para a rua hoje”, mas criticou a convocação de uma concentração petista em separado. “Esse não é um ato avalizado pela direção nacional”, disse Falcão.

Abaixo, nota do Movimento Passe Livre sobre a revogação no aumento das passagens de ônibus:

Nota do MPL:

A cidade não esquecerá o que viveu nas últimas semanas. Aprendemos que só a luta dos de baixo pode derrotar os interesses impostos de cima. A intransigência dos governantes teve de ceder às ruas tomadas, às barricadas e à revolta da população.
Não foi o Movimento Passe Livre, nem nenhuma outra organização, que barrou o aumento. Foi o povo.

O povo constrói e faz a cidade funcionar a cada dia. Mas não tem direito de usufruir dela, porque o transporte custa caro. A derrubada do aumento é um passo importante para a retomada e a transformação dessa cidade pelos de baixo.

A caminhada do Movimento Passe Livre, que não começa nem termina hoje, continua rumo a um transporte público sem tarifa, onde as decisões são tomadas pelos usuários e não pelos políticos e pelos empresários. Se antes eles diziam que baixar a passagem era impossível, a revolta do povo provou que não é. Se agora eles dizem que a tarifa zero é impossível, nossa luta provará que eles estão errados.

Por uma vida sem catracas!

Movimento Passe Livre São Paulo

(Via http://www.brasil247.com/pt/247/poder/106013/Militantes-da-CUT-s%C3%A3o-agredidos-no-Rio.htm)