Protesto contou com a participação de professores municipais e estudantes da região Foto: Normando Sóracles/miseria.com

Já dura 4 horas a permanência do prefeito de Juazeiro do Norte, Raimundo Macedo, dentro de uma agência do Banco do Brasil. Manifestantes cercam o local, após protesto na cidade que envolveu 8 mil pessoas.

De acordo com a Polícia Militar, a situação no local segue de forma pacífica e tranquila desde o início da tarde desta terça-feira (18). 

Em meio à série de protestos organizados por todo o Brasil, na tarde desta terça-feira, cerca deoito mil pessoas, segundo a Polícia Militar, fizeram uma manifestação em Juazeiro do Norte. Os professores da rede municipal e estudantes da região protestaram contra as recentes alterações na Lei do PCCR (Plano de Cargos, Carreira e Remuneração) e ainda pediram a saída do prefeito Raimundo Macedo (PMDB). 

O protesto aconteceu em frente à sede da Prefeitura e da Câmara Municipal. A manifestação teve início na Rua São Pedro, no bairro Santa Teresa, por volta das 15h30 e seguiu até a praça Padre Cícero, no Centro da cidade.

Os manifestantes também cobraram maior investimento em merenda escolar e pediram o não fechamento dos ambulatórios médicos durante o período noturno. A categoria continua em greve, mas informou que será feita na próxima semana, uma assembleia para avaliar a continuidade do movimento.

Prefeito nega redução em salário dos professores

Em coletiva nesta manhã, o prefeito Raimundo Macedo rebateu as críticas relacionadas à aprovação do projeto de Lei que alterou o PCCR. Raimundão classificou que houve um equívoco na repercussão do caso.

O prefeito alegou que, na verdade, 10% do que era de gratificação foram incorporados ao salário dos professores, além de negar que existiu perdas salariais. “É só constatarem os contracheques e perceber que não houve redução. As gratificações caíram de 40 para 30%, mas essa diferença foi incorporada ao salário”, esclareceu.

Cerca de mil pessoas protestam na Câmara de Iguatu

No município de Iguatu, a 380 km da Capital, cerca de mil manifestantes ocuparam o prédio da Câmara Municipal . O protesto no Centro-Sul do Estado foi pacífico e se mostrou contra a proposta do Executivo de implantar o Regime Próprio de Previdência Social do Município. Os manifestantes pediram aos vereadores respeito nos direitos dos servidores municipais.

A manifestação também pediu a melhoria nos setores de saúde e educação. Inicialmente, os manifestantes estiveram reunidos na Praça Gonçalves de Carvalho, no centro da cidade. Depois percorreram ruas e foram até a sede do legislativo municipal.

Com informações da correspondentes Elizângela Santos e Honório Barbosa

(Via Diário do Nordeste)

Anúncios