Carro de transmissão da TV Record é incendiado no centro de São Paulo (SP)

Uma van usada para as transmissões ao vivo da TV Record foi incendiada por manifestantes que depredavam o prédio da prefeitura de São Paulo durante mais um dia de protestos contra o aumento da passagem de ônibus. O grupo também atirava pedras em uma base da Polícia Militar localizada ao lado da prefeitura. 

Por volta das 20h30 desta terça-feira, policiais da Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas (Rocam) chegavam ao local para tentar abrir caminho para que uma equipe do Corpo de Bombeiros pudesse apagar as chamas. 

A Tropa de Choque também foi acionada para conter os manifestantes, que tentaram invadir o prédio da prefeitura. 

Em nota, a Rede Record de Televisão informou que nenhum dos profissionais que trabalhavam na cobertura dos protestos pela empresa ficou ferido no incêndio do caminhão. 

De acordo com a emissora, “antes que o carro saísse, um grupo atacou o veículo com pedras e depois colocou fogo nos equipamentos”. “A Record tem a certeza de que foi atacada por uma minoria de vândalos”, afirma a empresa na nota. 

A Record lamentou o ocorrido causado, segundo a emissora, por “pequenos grupos” que tentam “impor as suas ideias pela violência”. 

Cenas de guerra nos protestos em SP
A cidade de São Paulo enfrenta protestos contra o aumento na tarifa do transporte público desde o dia 6 de junho. Manifestantes e policiais entraram em confronto em diferentes ocasiões e ruas do centro se transformaram em cenários de guerra. Enquanto policiais usavam bombas e tiros de bala de borracha, manifestantes respondiam com pedras e rojões.  

Durante os atos, portas de agências bancárias e estabelecimentos comerciais foram quebrados, ônibus, muros e monumentos pichados e lixeiras incendiadas. Os manifestantes alegam que reagem à repressão opressiva da polícia, que age de maneira truculenta para tentar conter ou dispersar os protestos. 

Segundo a administração pública, em quatro dias de manifestações mais de 250 pessoas foram presas, muitas sob acusação de depredação de patrimônio público e formação de quadrilha. No dia 13 de junho, bombas de gás lacrimogêneo lançadas pela Polícia Militar na rua da Consolação deram início a uma sequência de atos violentos por parte das forças de segurança, que se espalharam pelo centro. 

​O cenário foi de caos: manifestantes e pessoas pegas de surpresa pelo protesto correndo para todos os lados tentando se proteger; motoristas e passageiros de ônibus inalando gás de pimenta sem ter como fugir em meio ao trânsito; e vários jornalistas, que cobriam o protesto, detidos, ameaçados ou agredidos. 

No dia seguinte ao protesto marcado pela violência, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) declarou que via “ações coordenadas” oportunistas no movimento, reiterou “a defesa do direito de ir e vir” da população, mas garantiu que não permitirá que os manifestantes prejudiquem a circulação de veículos e pessoas. No mesmo dia, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), afirmou que a polícia deve ser investigada por abusos cometidos, mas não deixou de criticar a ação dos ativistas. 

As agressões da polícia repercutiram negativamente na imprensa e também nas redes sociais. Vítimas e testemunhas da ação violenta divulgaram relatos, fotografias e vídeos na internet. A mobilização ultrapassou as fronteiras do País e ganhou as ruas de várias cidades do mundo. Dezenas de manifestações foram organizadas em outros países em apoio aos protestos em São Paulo e repúdio à ação violenta da Polícia Militar. Eventos foram marcados pelas redes sociais em quase 30 cidades da Europa, Estados Unidos e América Latina. 

As passagens de ônibus, metrô e trem da cidade de São Paulo passaram a custar R$ 3,20 no dia 2 de junho. A tarifa anterior, de R$ 3, vigorava desde janeiro de 2011. Segundo a administração paulista, caso fosse feito o reajuste com base na inflação acumulada no período, aferido pelo IPC/Fipe, o valor chegaria a R$ 3,40. “O reajuste abaixo da inflação é um esforço da prefeitura para não onerar em excesso os passageiros”, disse em nota. 

O prefeito da capital havia declarado que o reajuste poderia ser menor caso o Congresso aprovasse a desoneração do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) para o transporte público. A proposta foi aprovada, mas não houve manifestação da administração municipal sobre redução das tarifas.

(Portal Terra)

Anúncios