Leonardo Lucena_PE247 – Em meio à avalanche de protestos que ocorre em várias capitais do País contra o aumento no preço das passagens de ônibus, a capital pernambucana ficou à margem dos atos públicos referentes ao assunto. Agora, uma manifestação, organizada via redes sociais, está sendo agendada para o próximo dia 20, com o objetivo de pressionar o Governo Estadual para reduzir o preço das tarifas de ônibus na Região Metropolitana do Recife. A manifestação pretende forçar a redução das tarifas tendo como base a aprovação da Medida Provisória 617, do Governo Federal, que zerou as alíquotas do Programa de Integração Social (PIS) e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) sobre as empresas de transporte urbano. Em tese, a briga promete ser intensa, pois vale ressaltar que o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), reforçou, no começo deste mês, que não haverá redução das passagens no Grande Recife.

Assim como a Secretaria Estadual de Defesa Social (SDS) e o Grande Recife Consórcio de Transporte, o presidente do Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Pernambuco (Urbana/PE), Fernando Bandeira, informou não ter conhecimento da manifestação prevista para a próxima semana. O dirigente, inclusive, deu um indicativo de que os preços das passagens podem subir no próximo ano.

De acordo com ele, a tarifa de ônibus que sofreu um reajuste de 5,53% na Região Metropolitana do Recife (RMR) em janeiro deste ano, continua defasada. “Depois que a tarifa foi aumentada, nós tivemos alguns aumentos de insumo, tipo óleo diesel, aumento de peças de veículos…”, justificou Bandeira.

O sindicalista confirmou a afirmação feita pelo governador Eduardo Campos no início do mês. “A tarifa é aumentada uma vez por ano apenas”, declarou. Durante a inauguração da primeira etapa do novo Terminal Integrado do Barro, Campos confirmou que não está prevista nenhuma revisão das tarifas atualmente em vigor. “Desde que assumi o governo do Estado determinei que as passagens seriam reajustadas apenas pelo IPCA, uma única vez ao ano. Nada mais, nada menos. Então essa determinação vale mesmo com a desoneração do Governo Federal. Somente em janeiro (2014), quando formos rever a tarifa, é que iremos considerar essa isenção. Não faremos antes”, disse o gestor, no último dia 6.

A página convocando a população recofense pela rede social Facebook está intitulada de “Ato Público contra o aumento das passagens, Transporte público 100%”. A página traz, ainda, uma foto sobre o “Dia Nacional Contra o Aumento das Passagens em Defesa do Transporte Público e pelo Passe Livre – O Brasil vai parar!”, em alinhamento com a mobilização nacional sobre o assunto.

O presidente do Diretório Central dos Estudantes da Universidade Católica de Pernambuco (DCE-Unicap), Marcus Vinícius, estudante de História, informou que haverá uma reunião, na próxima segunda-feira (17), às 18h, na sede do DCE da universidade, bairro da Boa Vista, região central do Recife, para decidir os rumos das manifestações.

“Ficamos sabendo pela Imprensa que o governador (Eduardo Campos) teria essa posição (de não reduzir as tarifas). Não estabelecemos nenhum tipo de diálogo com o governo”, declarou. O estudante disse que não dá para prever “um plano B” caso as negociações não avancem. “É muito imprevisível, tudo vai muito do envolvimento das pessoas, da forma como o governo pode responder, se vai ter abertura par ao diálogo”, disse. De acordo com Marcus Vinícius, “o governador tem interesse em dialogar muito bem com os movimentos sociais por causas de suas pretensões para 2014”. O gestor, embora ainda seja aliado oficial da presidente Dilma Rousseff (PT), se movimenta rumo ao pleito presidencial do próximo ano.

O último reajuste na Região Metropolitana do Recife (RMR) ocorreu em janeiro deste ano. Enquanto o Urbana/PE pleiteava um reajuste de 13%, o preço das passagens aumentou 5,53%. Dessa forma, a tarifa do anel A passou de R$ 2,15 para R$ 2,25, a do anel B subiu de R$ 3,25 para R$ 3,45, a tarifa D, que estava custando R$ 2,60 e foi para R$ 2,75, e as do anel G subiram de R$ 1,40 para R$ 1,50.

Durante a reunião do Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM), que ocorreu no dia 4 de janeiro, na sede do Grande Recife Consórcio de Transporte, na área central do Recife, vários estudantes tentaram invadir o local e foram contidos pela Polícia Militar.

O fato é que o aumento dos preços das passagens tem provocado intensas manifestações. Nesta quinta-feira (13), cerca de 5 mil protestantes tomaram as ruas do centro da cidade de São Paulo, durante mobilização organizada pelo Movimento Passe Livre, que terminou com cerca de 200 detenções. Em São Paulo, o aumento de R$ 3,00 para R$ 3,20 está em vigor desde o dia 2 de junho.

As onze capitais onde houve aumento nas passagens de ônibus foram Recife (PE), Aracaju (SE), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Natal (RN), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Vitória (ES), Curitiba (PR), Goiânia (GO) e Manaus (AM).

(Pernambuco 247)