247 – Mesmo que vendesse hoje todas as suas seis companhias, o empresário Eike Batista ainda não conseguiria pagar o que deve. O saldo acumulado da dívida, de acordo com reportagem publicada nesta sexta-feira no jornal O Globo, é de R$ 18,8 bilhões, enquanto o patrimônio somado das empresas do Grupo X é de R$ 18 bilhões.

Consta da lista de débitos de Eike investidores, bancos privados e públicos, sendo que apenas do BNDES foram concedidos R$ 10 bilhões – uma parte já paga. Desde outubro de 2010, as companhias de Eike com ações negociadas na Bolsa (OGX, OSX, LLX, MPX, MMX e CCX) perderam R$ 86 bilhões em valor de mercado. Nesta sexta, as ações da OGX caíram 7,66% na Bovespa, a R$ 0,97, primeira vez abaixo de R$ 1, e a agência de classificação de risco Fitch rebaixou o rating da empresa de B- para CCC.

“Entre 2006 – quando a MMX lançou ações, a primeira empresa do grupo a abrir capital – e o fim do primeiro trimestre deste ano – e o primeiro trimestre deste ano, as seis companhias acumulam prejuízo de R$ 6 bilhões”, informa o jornal carioca. Em comunicado nesta quinta-feira, o empresário garantiu que restaram “somente dívidas com vencimento de longo prazo” e disse que não pretende mais vender ações da OGX, como fez no mês passado.

Em entrevista ao O Globo, Rogério Freitas, da Teórica Investimentos, dá uma solução radical para os problemas de Eike: o empresário tem de sair da frente dos negócios. Segundo ele, esta é a única maneira de o grupo retomar a confiança do mercado.

“É uma pessoa só à frente de vários projetos grandes demais, que exigem investimentos grandes demais. O próprio Eike, no passado, guiou o mercado para uma visão superestimada do grupo. Ele soube vender bem os próprios negócios, como muitos bons empresários. Mas, agora, chegou-se a um ponto em que as ações das empresas são contaminadas por ele próprio. Ele tem que sair”, disse Freitas.

(Brasil 247)