A cantora baiana Daniela Mercury será uma das principais atrações da 17ª Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros), deixando o segundo principal evento do calendário turístico paulistano, que perde apenas para a Fórmula 1, cada vez mais com a cara da Bahia. Neste domingo (2), ela cantará em um trio elétrico e fará uma ação promocional divulgando o estado como destino turístico.  

A avenida Paulista será interditada a partir das 10h. O evento está marcado para começar ao meio-dia. De acordo com a programação oficial, serão, ao todo, 17 trios elétricos na edição deste ano. O primeiro terá a ministra da Cultura e ex-prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, e a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário. O deputado federal Jean Wyllys (PSOL) também estará no trio. Pela primeira vez, a Google e o Grupo Gay da Bahia (GGB) também terão um carro para desfilar.

A presença de Mercury no evento faz parte da promoção nacional da IIª Semana da Diversidade, que conta com o apoio da Bahiatursa e será realizada em Salvador, entre os dias 1º e 8 de setembro. O evento que, segundo o secretário do Turismo Domingos Leonelli, já integra o calendário turístico de Salvador, e também inclui a realização da Parada Gay na capital baiana, terá seminários contra a homofobia e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, apresentações musicais, dentre outras atividades.

De acordo com a Associação Brasileira de Turismo para Gays, Lésbicas e Transexuais (Abrat),  o universo LGBT representa 6% dos consumidores brasileiros, e o perfil do público formado por lésbicas, gays, bissexuais e transexuais tem um gasto médio quatro vezes maior que o turista convencional de lazer. Durante a Parada paulista, há um incremento de R$ 360 milhões na economia paulistana.

Vale lembrar que o modelo de manifestação surgiu na cidade de Nova York (EUA), no final dos anos 60. No Brasil, a primeira Parada aconteceu em 1995, na Praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, reunindo cerca de três mil pessoas. As marchas visam combater o sentimento de vergonha sentido por muitos LGBTs, discriminados por grupos (geralmente de religiosos conservadores) que afirmam que tal comportamento sexual deve ser banido.

Na Bahia
Em Salvador, o Grupo Gay da Bahia (GGB) organiza, dos dias 2 a 8 de setembro, a Semana da Diversidade Cultural, quando deve acontecer também a 12ª Parada Gay da Bahia. A cantora Daniela Mercury, que recentemente assumiu um relacionamento com outra mulher, foi convidada para ser madrinha.

(Henrique Brinco, IBahia)