Primeiro atleta em atividade de uma das quatro principais ligas profissionais dos EUA a assumir a homossexualidade, o pivô Jason Collins recebeu uma ligação do presidente Barack Obama. “É incrível, você apenas tenta viver uma vida honesta e genuína e, de repente, o presidente está te ligando”, declarou Collins ao programa “Good Morning America”.

O pivô de 34 anos afirmou que o presidente foi encorajador na conversa telefônica. “Ele foi extremamente solidário e disse que estava orgulhoso de mim, que isso não afetaria apenas a minha vida, mas a de outros daqui para a frente”, afirmou. Questionado sobre as reações ao seu anúncio, Collins disse: “É um tanto surpreendente… Eu nunca me propus a ser o primeiro”.

Revelação
O pivô revelou ser gay em artigo publicado pela revista “Sports Illustrated” e disse estar feliz. “Sei que, agora, estou mais feliz do que já estive em toda a minha vida.”

Collins atualmente está sem time, após atuar por Boston Celtics e Washington Wizards na última temporada da NBA, mas disse esperar que futuros companheiros de equipe o recebam bem. “Espero apoio dos meus companheiros, porque é o que eu faria. A equipe é como uma família, e a NBA é como uma irmandade. Espero que nos apoiemos uns aos outros dentro e fora da quadra”, disse.

Questionado sobre qual conselho daria a um jovem gay que espera jogar na NBA, Collins disse que ele deveria se concentrar no esporte. “Não importa se você é gay, o importante é o basquete. Trata-se de trabalhar duro, de se sacrificar pela sua equipe.” Mas nem todas as manifestações foram de apoio. Mike Wallace, jogador do Miami Dolphins, da NFL (futebol americano), disse que não compreendia os gays. “Todas essas mulheres lindas no mundo, e os caras querem se esfregar em outros caras”, escreveu Wallace no Twitter -depois ele apagou o post e pediu desculpas.

O impacto da revelação de Collins foi comparado ao provocado por Jackie Robinson em 1947, quando se tornou o primeiro jogador negro na MBL (liga de beisebol).

(Diário do Nordeste)

Anúncios