padre

Centenas de fiéis de Bauru (SP) lotaram a igreja na manhã deste domingo (28) para assistir à missa de despedida do padre que se afastou de suas funções após declarações de apoio aos homossexuais.

Conhecido por contestar os princípios morais conservadores da Igreja Católica, Roberto Francisco Daniel, 48, conhecido como padre Beto, havia recebido um prazo do bispo diocesano, Dom Caetano Ferrari, 70, para se retratar e “confessar o erro” cometido em declarações divulgadas na internet.

Em um vídeo publicado no site Youtube, o padre admitiu a possibilidade de existir amor entre pessoas do mesmo sexo, inclusive por parte de bissexuais que mantêm casamentos heterossexuais. Ele também questionou dogmas da Igreja.

Ontem, dois dias antes do prazo estabelecido pelo bispo para a retratação, padre Beto anunciou que iria se afastar de suas funções religiosas e convocou a missa de despedida para hoje.

Na missa, o padre falou sobre amor e coerência e afirmou que para “Jesus Cristo não existia preconceito”.

“Jesus amava os seres humanos independentemente da condição social, da raça e da sexualidade”, disse o religioso.

A missa de despedida lotou a Igreja Santo Antônio, no Jardim Bela Vista, bairro tradicional de Bauru.

Em torno de mil pessoas ocuparam os bancos e ficaram em pé nas laterais.

O padre foi aplaudido de pé no final da missa e aclamado quando percorreu o corredor de saída da igreja pela última vez. Muitos fiéis choraram e, em seguida, formaram fila para cumprimentá-lo na porta.

Um dos mais emocionados era o pai  de santo umbandista Ricardo Barreira, que assistiu à celebração vestido de branco e chorou muito.

“Não sou católico, mas o padre Beto sempre me representou. Agora mais ainda”, disse. O umbandista recebeu o apoio do padre quando disputou a eleição para vereador.

Beto vai entregar seu pedido de “desligamento do exercício dos ministérios sacerdotais” nesta segunda-feira para o bispo. Ele garantiu não ter planos para o futuro, mas disse que poderá se reunir com seus seguidores para sessões de orações.

Procurado pela reportagem, o bispo preferiu esperar o recebimento do pedido para comentar a decisão.

Fonte: uol.com.br