SANTANDER-BENEFICIOS

Madri, 25 abr (EFE).- O Banco Santander obteve na América Latina um lucro de 988 milhões de euro de janeiro a março, valor 18,2% menor do que no mesmo período de 2012, devido a uma menor contribuição de países como Brasil, Chile e México.

Segundo informação enviada à Comissão Nacional do Mercados de Valores (CNMV) pela instituição, que lucrou 1,2 bilhão de euros no primeiro trimestre, quantia 26% menor do que em 2012, a América Latina forneceu mais da metade do lucro total do banco. Dentro da região, a maior contribuição continua sendo do Brasil, com 499 milhões de euros, 22,3% a menos; seguido do México, com 241 milhões de euros, queda de 18%.

O terceiro país latino-americano com melhor resultado foi o Chile, com um lucro líquido de 103 milhões de euros, 21% a menos. Depois seguem a Argentina, com 86 milhões de euros (10,6% a mais); Porto Rico, com 19 milhões de euros (avanço de 81%), e Uruguai, com 14 milhões de euros (12% a mais).

O aumento do lucro em alguns casos se deve, além da própria atividade financeira, à taxa de câmbio das moedas locais em relação ao euro no primeiro trimestre de 2012.

Os créditos na América Latina cresceram apenas 8% devido à desaceleração no Brasil, onde avançaram 5%, contra 13% no México em função do dinamismo comercial. A taxa de inadimplência na América Latina se situou no fechamento de março em 5,44%, acima do 4,67% do mesmo mês de 2012.

Os depósitos na região aumentaram 1%, com altas muito díspares, que vão desde 1% no Brasil até 17% no México.

O número de agências do Santander na América Latina diminuiu 1%, o que em termos absolutos significa 56 filiais a menos, até 5.997, das quais 3.727 estão no Brasil e 1.193 no México. Isto se traduziu em uma diminuição do número de empregados (-2,5%), até chegar a 90.044 funcionários, dos quais 53.215 no Brasil e 14.065 no México.

EFE

Anúncios