Bayern-x-Dortmund

Por  | Blog do Vitor Sergio 

A intensidade e a polivalência dos jogadores de meio-campo de Bayern de Munique e do Borussia Dortmund são a explicação para os dois atropelamentos nos jogos de ida da semifinal da Liga dos Campeões. Com jogadores se impondo fisicamente, com e sem a bola, foi natural a supremacia técnicos na vitória dos bávaros por 4 a 0 sobre o Barcelona e dos aurinegros por 4 a 1 sobre o Real Madrid.

Tanto o Bayern quanto o Dortmund mostraram a importância de ter jogadores que desempenhem com a mesma intensidade e competência a marcação e a criação de jogadas. Gundogan e Schweinsteiger são o protótipo disso. Têm velocidade, fôlego e força física para bloquear qualquer iniciativa adversária. Têm velocidade, inteligência e técnica para levar o time à frente quando recebem a bola.

Peguei dois jogadores como exemplo, mais isso aconteceu também com outros nomes das duas equipes. É possível citar, sem medo de errar, Javi Martinez, Ribery, Thomas Muller, Reus, Kuba, todos marcando forte, sendo rápidos na cobertura (a quantidade de bolas bloqueadas nos dois jogos foi gigantesca), levando o time à frente e criando chances de gol. Todos os jogadores do meio correndo a partida inteira. Assim sobra chance para Thomas Muller e Lewandowski brilharem na frente.

Lewandowski celebra o quarto gol contra o Real Madrid. Crédito da foto: Getty ImagesO contraste com o meio-campo dos dois times espanhóis nas partidas foi muito grande. Busquets não conseguiu sair da marcação de Mario Gomez (isso mesmo, o atacante do Bayern!) e não fez a saída de bola. Xavi não recebeu uma bola limpa e errou muito mais do que o normal. E Messi, aparentemente sem condições totais, se mexeu pouco. Assim, o Barça nada produziu e quando perdia a bola não tinha perna para neutralizar a transição mortal do Bayern.

Sem Di Maria, o Real Madrid sofreu demais para marcar as laterais com Özil na direita, já que Cristiano Ronaldo pouco ajuda nesse sentido. Assim, não tinha como segurar o meio-campo do Dortmund apenas com Khedira, Xabi Alonso e Modric. Com a bola, Xabi jogou mal, em parte porque foi atrapalhado por Mario Götze durante 70 minutos. Khedira e Modric levaram a pior na briga com Gundogan e Bender quando foram à frente.

Pela forma atual com que o Barça vem jogando nos últimos três meses, acho que não tem como superar o Bayern jogando em casa. O Real Madrid tem condição de encaixar um jogo perfeito para vencer o Dortmund por 3 a 0. Mas eu não acredito. Acho que teremos uma final alemã, indicando a dinâmica que o futebol vai exigir no futuro. Futuro bem próximo, aliás.