POR FRANCISCO EDSON ALVES

Rio –  A venda e o consumo de drogas na Lapa, principalmente na Rua do Lavradio — onde, no final da noite de quarta-feira um motorista de ônibus foi preso com cocaína, numa boca de fumo que funciona na altura do número 122 — continuam a todo vapor, assustando moradores e comerciantes.

No local, conforme O DIA flagrou com imagens na quinta-feira, traficantes usam os fundos de um casarão para comercializar vários tipos de entorpecentes, inclusive crack, consumidos ali mesmo pelos viciados.

As ações criminosas afrontam as autoridades, uma vez que a boca de fumo fica a cerca de 220 metros do prédio da Chefia de Polícia Civil, a 650 metros do Quartel General da Polícia Militar, e próximo a outras importantes instituições de segurança, de ensino e religiosas.

Foto: Arte: O Dia

Arte: O Dia

Em nota, a assessoria de imprensa da PM informou que “o 5º BPM (Praça da Harmonia) passará a ter atenção especial voltada para a região”. Por questões estratégicas, o comando do batalhão evita revelar o número de viaturas e homens que integrarão o reforço no combate aos criminosos.

Também em nota, a Polícia Civil garantiu que policiais de delegaciais especializadas e da 5ª DP (Mem de Sá) realizam sistematicamente ações de repressão ao tráfico na Lapa: “Às quintas e sextas-feiras, agentes da Delegacia de Combate às Drogas, da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima, da Delegacia Especial de Apoio ao Turismo e da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente, fazem operações em diversas ruas do bairro”.

Polícia Civil diz que fez mais de dez operações no local no ano passado

A Polícia Civil argumenta que no ano passado foram feitas pelo menos dez operações na boca de fumo da Rua do Lavradio,apreendendo drogas e facas, e prendendo traficantes.

A boca de fumo funciona ao ar livre, em plena Lapa: moradores e comerciantes exigem providências | Foto: Uanderson Fernandes / Agência O Dia

A boca de fumo funciona ao ar livre, em plena Lapa: moradores e comerciantes exigem providências | Foto: Uanderson Fernandes / Agência O Dia

“Em abril de 2012, por exemplo, a Delegacia da Criança e do Adolescente prendeu o traficante Sebastião Barbosa, apontado como o principal vendedor de cocaína e haxixe da Lapa”, ressaltou a nota.

Na quinta-feira, o motorista da linha 366 (Lavradio-Campo Grande), da Pégaso, Francisco Correia, 42 foi preso, ainda em serviço, depois de comprar papelote de cocaína no local. Vizinha do endereço do medo, X. 51, assim como comerciantes, critica a persistência das ações do tráfico.

“Não dá para entender porque continuamos reféns dessa situação absurda”, desabafou. O QG do tráfico, além de ficar no quintal da cúpula da PM e Polícia Civil, também fica próximo a outras importantes instituições, conforme mostra o quadro acima.

Uma terra sem lei onde impera a vista grossa

Um dos pontos turísticos mais procurados do Rio, a Lapa desperta o interesse de traficantes por causa do grande números de bares existentes na região.

Alguns funcionam 24 horas, atraindo turistas de todo o País e do exterior. “Do final da noite em diante, as imediações dos Arcos da Lapa e várias ruas, como a do Lavradio, viram uma terra sem lei”, testemunha o estudante Y., 21, revelando ser viciado em maconha.

“Boa parte dos PMs e guardas municipais faz ‘vista grossa’ para quem vende e consome drogas aqui (na região). Preferem não ter trabalho com o chamado tráfico formiguinha. É revoltante” , completou a secretária A., 28.

Em diversas reportagens, O DIA vem mostrando o sofrimento de quem vive, trabalha ou tem comércio na Lapa. Depois das denúncias de movimentos populares da região, o governo municipal passou a acolher com mais frequências moradores de rua e viciados em drogas. As ruas também estão ganhando mais lixeiras.

(O Dia Online)