bota

O Botafogo demorou 80 minutos, mas conseguiu furar a forte defesa armada pelo Vasco na tarde deste domingo no Engenhão e conquistou a Taça Guanabara. Precisando da vitória pra garantir o título, o Glorioso pressionou durante toda a partida, mas só comemorou quando o lateral Lucas acertou chute rasteiro aos 35 minutos do segundo tempo e anotou o gol que garantiu o título. 

Com pior campanha do que o adversário na primeira fase, o Glorioso atacou desde o início, sobretudo com jogadas criadas pelo holandês Clarence Seedorf, que foi campeão já em sua primeira final pela equipe carioca. A pressão foi forte, mas o tento de Lucas saiu justamente quando o Vasco começava a levar perigo e havia ameaçado com Carlos Alberto. 

O Cruz-maltino chegou a balançar as redes, no que seria o empate que lhe garantiria o título, mas o árbitro Wagner Magalhães assinalou impedimento do ataque vascaíno, que havia mandado para as redes a bola rebatida por Jefferson após cobrança de falta.O jogo – Quando as equipes entraram em campo na tarde deste domingo, ainda havia muitos assentos vazios nas arquibancadas, apesar de todos os ingressos para a decisão terem sido vendidos. A maioria dos lugares restantes foi tomada durante o aquecimento dos jogadores e com a bola já rolando, mas mesmo assim sobraram cadeiras em todos os setores do Engenhão. 

O Vasco foi o primeiro a organizar uma jogada ofensiva, quando o cronômetro já marcava cinco minutos transcorridos, com Thiago Feltri avançando pela esquerda e cruzando para a área, em lance que terminou com a zaga afastando. O Botafogo chegou aos oito com Rafael Marques, após bom passe de Lodeiro, mas Wendel fez o desarme dentro da área e deixou o atacante no chão pedindo pênalti. 

Logo no minuto seguinte, Carlos Alberto perdeu grande chance de abrir o placar para o Vasco. O camisa 10 apareceu na pequena área pelas costas de Lucas e com o pé desviou para fora o cruzamento. 

Precisando da vitória para ficar com o título da Taça Guanabara, o Botafogo adotou postura mais ofensiva em campo, mantendo a posse de bola e apostando em jogadas criadas por Seedorf e Lodeiro. A primeira boa chance da equipe ocorreu em um lance de bola parada com os dois estrangeiros. O holandês sofreu falta na entrada da área e o uruguaio foi para a cobrança de perna esquerda, obrigando o goleio Alessandro a espalmar para longe. 

O Glorioso chegou novamente com perigo após jogada que começou com Seedorf, passou pelos pés de Bolívar e foi parar em Fellype Gabriel, que bateu com muita força de dentro da área e mandou a bola por cima da meta. A pressão seguiu até o fim da primeira etapa, mas sem resultado efetivo. 

A necessidade da vitória fez o técnico Oswaldo de Oliveira colocar Vitinho no lugar de Marcelo Mattos no retorno para o segundo tempo. A alteração deu ainda mais presença ao Botafogo no ataque e com nove minutos fez a torcida do Botafogo levantar. Seedorf bateu falta para Lodeiro que dividiu com força com o goleiro Alessandro e caiu pedindo pênalti, mas o árbitro mandou o lance seguir. 

O arqueiro vascaíno ainda deu dois sustos na torcida, deixando escapar bolas fáceis de defender, mas se recuperou em ambos os lances. 

O Cruz-maltino começou a levar perigo em contragolpes e quase obteve sucesso aos 25 minutos com Carlos Alberto, que arrancou em velocidade, mas demorou para passar para Bernardo e desperdiçou a jogada, causando irritação em seu companheiro de time. O lance foi um sintoma do cansaço do Botafogo, que atacava de forma desordenada. 

O Vasco aproveitou a situação e quase marcou um golaço aos 30 minutos, quando Carlos Alberto acertou voleio dentro da área e só não comemorou porque Jefferson demonstrou reflexo e fez grande defesa. 

Mas aos 35 minutos veio o gol que garantiu o título ao Glorioso. Lucas recebeu passe dentro da área após cruzamento e bateu com categoria para vencer o goleiro Alessandro e levar metade do Engenhão ao delírio. 

A outra metade do estádio chegou a comemorar quando a bola foi parar nas redes de Jefferson após rebote de cobrança de falta, mas o árbitro assinalou impedimento do ataque e frustrou as esperanças vascaínas. No último lance da partida, os cruz-maltinos levantaram nas arquibancadas e viram Fellipe Bastos soltar pancada em cobrança de falta. Jéfferson voou no canto direito, espalmou e terminou como herói do Glorioso na conquista da Taça Guanabara.

(Gazeta Esportiva)