nat_cesarcielo_glo_30

Rio de Janeiro, 29 dez (EFE).- O Flamengo decidiu não renovar o contrato com os principais atletas de sua equipe de natação, entre eles César Cielo, dentro da nova política para os esportes olímpicos, que implantará a diretoria do clube empossada na última quinta-feira.

Além do recordista mundial, os vínculos de Joanna Maranhão e Niholas Santos, Henrique Barbosa e Leonardo de Deus, que também venceriam no dia 31 de dezembro, não serão renovados, segundo o vice-presidente de esportes olímpicos, Alexandre Póvoa, no dia seguinte da chegada ao cargo mais alto do Rubro-Negro de Eduardo Bandeira de Mello, novo presidente.

“Nossa prioridade é reconstruir o parque aquático e investir nos atletas de base para que em um futuro possamos trazer esses atletas de volta a um clube com melhor estrutura”, explicou Póvoa.

Segundo comunicado publicado na página oficial do Flamengo, a cúpula dos esportes olímpicos explica que as modalidades precisam de três pontos principais para se manter: atletas que entrem em competições em condições de ganhar; o esporte ser autossustentável; e, por fim, que os atletas treinem dentro do clube para servir de exemplo para a base.

Cielo, que tinha contrato desde 2010, recebia em R$ 100 mil mensais, para defender o clube, mas assim como os demais atletas profissionais da natação, não treinava nas instalações rubro-negras. O nadador foi campeão olímpico dos 50 metros livres em Pequim 2008 e bronze na mesma prova em Londres 2012. Além disso, foi o primeiro brasileiro na história da natação a unificar os títulos mundiais dos 50m e 100m livre.

EFE