Midia News

Cientistas australianos descobriram que o gene responsável por manter os embriões vivos é capaz de controlar o sistema imunológico e determinar como o corpo vai combater doenças crônicas como hepatite e HIV, além de doenças autoimunes, como a artrite degenerativa.

O gene, chamado Arih2, é fundamental para a função do sistema imune, agindo como um interruptor, ativando e desativando o sistema imunológico.

“Se o gene está ativado, reduz os efeitos imunológicos. Se está desativado, aumenta significativamente a resposta. Se a decisão errada é tomada, o organismo acaba sucumbindo à infecção, ou à autoimunidade. Provavelmente, esse é um dos poucos genes capaz de nos levar a um medicamento bem rápido”, afirma o líder da pesquisa Marc Pellegrini, do Walter and Eliza Hall Institute.

Durante a evolução, alguns organismos desenvolveram maneiras de esgotar o sistema imunológico ao ponto em que o sistema imunológico simplesmente desliga, e isso é o que acontece em infecções pelo HIV, hepatite B e tuberculose. Estes organismos enfrentam a resposta imune, esgotando as células T que são estimuladas pela infecção.

“Com esta descoberta podemos ser capaz de contornar esses mecanismos e revigorar a resposta imune temporariamente para reforçar o sistema imunológico e ajudar a limpar essas infecções”, acrescenta Pellegrini.

O Arih2 foi identificado por outro grupo de cientistas em insetos domésticos, mas atraiu a atenção de Pellegrini e seus colegas por suas supostas relações com o sistema imunológico.

Pellegrini e sua equipe descreveram como os embriões morreram depois que o gene foi retirado.

Em uma fase posterior da pesquisa, eles removeram o gene de ratos adulto e notaram que os sistemas imunológicos dos animais ficaram mais fortes, pelo menos por um curto período. Depois, a defesa biológica dos roedores teve uma sobrecarga e passou a atacar as células, tecidos e órgãos saudáveis.

Os ratos sobreviveram bem por seis semanas. Então eles passaram a desenvolver essas respostas imunes hiperativas. Se deixá-la ativa por muito tempo, ela vai começar a reagir contra o próprio corpo.

“Arih2 tem uma estrutura única, o que acreditamos que o torna um excelente alvo para uma droga terapêutica, que é improvável que afete outras proteínas e cause efeitos colaterais indesejados. Devido a Arih2 ser crítico para a sobrevivência, precisamos agora olhar para o efeito de desligar o gene por curtos períodos de tempo, para ver se há uma janela de oportunidade para fazer com que a resposta imunitária limpe a infecção, sem danos indesejáveis ou autoimunidade”, relata o pesquisador Greg Ebert.

Segundo Pellegrini, ainda levará muitos anos para traduzir a descoberta em uma droga que pode ser utilizada em seres humanos. “Estamos muito entusiasmados com esta descoberta. Ela tem implicações significativas para manipular a resposta imune à infecção e suprimir inflamação crónica ou autoimunidade, ‘ freando’ ou ‘ acelerando’ o gene”, conclui.

Anúncios