Por Breno Pires e Fernando Otto | Estadão Conteúdo

As fabricantes de adoçantes Gold e Stevia Brasil foram multadas, juntas, em R$325 mil pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça (DPDC) por propaganda enganosa e ausência de informações adequadas sobre a composição de produtos nas embalagens. 

Segundo a decisão, os rótulos dos adoçantes Doce Menor Stevia Mix, da Gold, e Stevip, da Stevia Brasil, induziam o consumidor a pensar que estava adquirindo um produto à base do adoçante natural Stevia (nome comercial do edulcorante de steviosídeo), mas a quantidade da substância no produto era mínima.

Na prática, o sabor do adoçante era dado pelas substâncias artificiais sacarina e ciclamato de sódio. 

Para o diretor do DPDC, Amaury Oliva, as empresas violaram o direito à informação. “Os rótulos já foram trocados e os produtos continuam em circulação”, afirma. A Gold vai pagar R$200 mil e a Stevia Brasil, R$125 mil. Cabe recurso à decisão. 

O diretor comercial da Stevia Brasil, Flávio Silva, alega que não houve má fé e que todos os produtos da empresa têm fórmula registrada na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Procurada, a Gold não atendeu às ligações do jornal O Estado de S. Paulo. 

Segundo a nutricionista Julianna Shibao, a troca da estévia pelos adoçantes artificiais não causa prejuízo nutricional, pois as substâncias são permitidas pela legislação. “O apelo em relação à estévia é que ela sai de uma planta, ao contrário dos adoçantes artificiais.”

As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.

Anúncios