São Paulo – A presidenta Dilma Rousseff reafirmou hoje (13) que a seca no Nordeste será controlada e que, com uso de tecnologia, o sertão se transformará em uma região produtiva e competitiva. A declaração foi feita durante o lançamento do programa Mais Irrigação, em Brasília, que prevê parcerias público-privadas para garantir irrigação artificial em áreas agrícolas do país.

“Vamos derrotar a seca usando o que há de melhor em tecnologia e seremos bem sucedidos. E as terras irrigadas são uma boa forma [de alcançar o objetivo]”, afirmou Dilma. “Nosso sertão irrigado vai deixar de ser dependente da ajuda governamental. Ele passará a ser um dos maiores produtores de alimentos que nosso país e o mundo necessitam. A vítima da seca deixará de ser flagelado para se tornar um produtor rural”.

Por isso, ela afirmou que o programa chegará tanto aos grandes empreendimentos agrícolas como aos pequenos produtores, de forma a garantir que eles vivam “com a renda da sua propriedade”. “Vamos garantir apoio diferenciado a ambos, ao grande e ao pequeno”, afirmou.

O programa prevê investimentos de R$ 10 bilhões para ações de irrigação de áreas agrícolas em 16 estados. Parte da verba virá do governo e parte de empresas, de acordo com o Ministério da Integração Nacional, responsável pela iniciativa. 

O objeto é atender 538 mil proprietários de terras para que possam produzir insumos para biocombustíveis, frutas, leite, carne e grãos. O foco é “desenvolver a agricultura familiar, facilitando o acesso ao crédito, à terra e ao escoamento da produção”, de acordo com o ministro Fernando Bezerra.

Dilma afirmou que será criada uma carteira de projetos de irrigação em todas as regiões. O primeiro será o do Pontal, em Petrolina (PE), cujo edital foi assinado pelo ministro Bezerra durante a cerimônia.

“O estimulo à produção, ao desenvolvimento regional e à inclusão social tem de caminhar junto”, disse a presidenta. “Vamos irrigar a terra para gerar mais renda. Vamos levar esse desenvolvimento e ver florescer regiões que padecem de falta de água”. 

(Rede Brasil Atual)