Os advogados do goleiro Bruno revelaram ontem ao MAIS uma informação que pode mudar os rumos do julgamento do atleta, marcado para o dia 19. Francisco Simim, que defende o arqueiro, garantiu ter provas de que Eliza Samudio, ex-amante de Bruno, esteve em um hotel, na Bolívia, um mês depois da prisão do ex-jogador do Flamengo, que foi acusado de seu sequestro e morte.

– Ela foi para Governador Valadares (MG) e pagou R$ 4 mil para conseguir um passaporte falso. Com isso, ela foi para a Bolívia e ficou em uma cidade chamada Guayaramirin. O nome dela hoje é Olívia Guimarães Lima e está em algum lugar no mundo – afirmou.

Simim afirmou que as surpresas não param por aí. As informações foram passadas por Luiz Henrique Timóteo, que segundo o advogado, teve dois filhos com a mãe do goleiro, já falecida:

– Este padrasto do Bruno está preso, é um detento federal, estelionatário e me passou tudo. Ele será uma de nossas bombas no julgamento. Tenho plena confiança de que vamos levar essa – acredita.

Defesa do goleiro ainda tenta adiar julgamento

Faltando pouco menos de duas semanas para o julgamento, a defesa de Bruno ainda tenta adiá-lo na Justiça. De acordo com Francisco Simim, ele deve ir a Belo Horizonte ainda hoje para fazer o pedido no Tribunal de Justiça de Minas.

– Nós acreditamos que o habeas corpus do Bruno, que está no Supremo (Tribunal Federal), vai sair antes. A juíza sabe que este julgamento (do habeas corpus) deve ser definido dia 20 e ela marca o julgamento para 19. Tenha uma certeza: se não houver julgamento dia 19, não haverá nunca mais. Estarei fazendo este pedido amanhã (hoje) – disse.

(Esportes O Povo Online)