Professores de cursinhos consultados pelo Terra na noite deste sábado apontaram que pelo menos duas questões da prova de ciências da natureza do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) podem ser anuladas por inconsistências nos enunciados. “A prova foi um pouco mais fácil que nos anos anteriores já que teve poucos cálculos, mas identificamos duas questões com problemas, que podem até ser anuladas”, disse o professor de física do Colégio Objetivo Ricardo Helou Doca.

Na questão 49 da prova amarela, que tratava de ondulatória, os professores do Objetivo e também do COC Sistema de Ensino e do Cursinho da Poli apontaram que os três dados apresentados – de comprimento de onda, velocidade e frequência – eram incompatíveis. “O aluno poderia até chegar à resposta correta, a letra D, por dedução, mas fizesse os cálculos não encontrava a alternativa certa”, disse a professora do COC Shirlei Nabarrete.

Já sobre a questão de número 51 do caderno amarelo, os professores concordaram que houve equívocos na formulação. A pergunta tratava de um consumidor que comprou legumes em uma feira e, após chegar em casa, decidiu conferir a massa dos alimentos, pois ficou desconfiado com os dados da balança do vendedor.

“O prenúncio do enunciado trazia alguns dados que não levavam à nenhuma resposta. Se o candidato pegasse os dados apresentados no final da pergunta, também não chegaria a nenhuma resposta. No entanto, com alguns dados do começo e alguns do final, forçando a barra, daria uma alternativa”, disse o professor do Objetivo, ao destacar que a resposta correta seria a letra “D”.

O professor do Cursinho da Poli Sergio Luiz concorda que os dados eram conflitantes. “Não foi legal, dá muito trabalho aos alunos para se chegar à resposta correta. É uma coisa chata, o Enem, pelo peso que tem, não poderia cometer esse tipo de erro”, afirmou. Segundo os educadores, esses problemas na formulação das perguntas devem gerar reclamações dos estudantes.

Nas demais questões da prova, de biologia e química, a avaliação dos educadores foi de que a prova foi bem elaborada, com enunciados claros e com menos textos do que nas edições anteriores. Em ciências humanas, a opinião é de que também foram questões bem feitas, intercalando conhecimentos de história, geografia, sociologia e filosofia com atualidades.

“Desde que o Enem sofreu as mudanças (em 2009) está é a melhor prova. Finalmente o exame conseguiu aliar conteúdos fundamentais do ensino médio com as habilidades dos estudantes”, avaliou o coordenador pedagógico do cursinho Guia do Estudante, Célio Tafinafo. Segundo ele, os enunciados estão mais enxutos, o que acaba favorecendo os candidatos. Sobre os problemas nas questões de física, Tafinafo disse que isso prejudicou, mas acredita que seja pouco provável que o Ministério da Educação anule as perguntas. “O enunciado apresentou incompatibilidade, mas não sei se acabará resultando em anulação”, ponderou.

Enem 
O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) foi criado em 1998 pelo governo federal com o objetivo de avaliar o desempenho do estudante ao fim da educação básica. A partir de 2009, o teste passou a ser utilizado também como mecanismo de seleção para ingresso no ensino superior.

Neste ano, as provas começaram a ser aplicadas neste sábado em todo o País. Neste primeiro dia, o candidato resolveu questões de Ciências Humanas e suas Tecnologias e de Ciências da Natureza e suas Tecnologias. No domingo, serão realizados os testes de Linguagens, Códigos e suas Tecnologias, Matemática e suas Tecnologias, e Redação, com duração de 5 horas e 30 minutos, contadas a partir da autorização. O Terra, em parceria com os professores do Sistema COC de Ensino, fará a correção comentada das provas nos dois dias.

O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), órgão responsável pelo exame, recomenda que todos os candidatos compareçam ao local de realização das provas até as 12h (de Brasília). O participante só poderá levar o caderno de questões ao deixar em definitivo a sala nos últimos 30 minutos.

O gabarito do Enem tem divulgação prevista para 7 de novembro e os resultados, para 28 de dezembro.

(Portal Terra)