Que as relações entre o presidente do PSB e governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e os irmãos Ciro e Cid Gomes não são as melhores é mais do que sabido; agora, na reta final do segundo turno, nem os Gomes fizeram questão da presença de Ediuardo e nem ele se dispôs a ir à Fortaleza (CE); Até que ponto esta rusga interna poderá pesar sobre os planos futuros do líder socialista de chegar ao Palácio do Planalto?

 22 DE OUTUBRO DE 2012 

 Leonardo Lucena_PE247 – Tido como a “bola da vez” no cenário político brasileiro, o governador de Pernambuco e presidente nacional do PSB, Eduardo Campos, vem demonstrando cada vez mais a sua força em termos de articulações políticas. Mas uma pequena divergência entre os próprios socialistas, aparentemente, tem passado longe dos holofotes. Trata-se das relações entre Campos e o ex-governador do Ceará, Ciro Gomes, que assim como o seu irmão e atual gestor daquele Estado, Cid Gomes, não aprova a candidatura do cacique correligionário à presidência da República em 2014.Cid Gomes argumentou que a sigla precisa se fortalecer no campo nacional, além de já ocupar cargos no Governo Dilma, como o ministério da Integração Nacional, com Fernando Bezerra Coelho, e a secretaria especial dos Portos, sob o comando de Leônidas Cristino. Ciro, por sua vez,  já disse que o melhor candidato do PSB para uma eleição presidencial seria ele próprio por uma questão de ter mais “bagagem” do que Eduardo.

Mas também é sabido que Ciro Gomes tentou se candidatar ao Palácio do Planalto em 2010, todavia, por decisão da Executiva Nacional do PSB, acabou por não concretizar o projeto, tendo que apoiar a então candidata do PT, Dilma Rousseff. Agora, portanto, não será novidade se os irmãos, definitivamente, não apoiarem o voo nacional de Eduardo, em 2014, caso essa candidatura se materialize.

Mesmo sem um teor explícito na relação “azedada” entre Eduardo e os “Gomes”, vale ressaltar que o gestor ainda não foi a Fortaleza pedir votos ao deputado estadual Roberto Cláudio (PSB) na disputa do segundo turno. De acordo com pesquisa feita pelo Ibope, entre os dias 15 e 17 deste mês, o socialista assegura 41% das intenções de votos contra 39% do candidato Elmano de Freitas (PT). Quando se leva em consideração somente os votos válidos, o parlamentar obtém 52%, enquanto que o seu adversário garante 48% do eleitorado. Até o momento os “Gomes” não teriam solicitado a presença de Eduardo Campos e nem este também teria dado o primeiro passo nesta direção.

A princípio, as divergências entre Eduardo e os irmãos não se tornaram um desafeto. Mas resta saber como os socialistas farão para administrar essa relação e se isso terá algum impacto no projeto do governador pernambucano, seja em 2014 ou em 2018.

 (Via Brasil 247)

Anúncios