Luiz Militão não irá mais cursar Geografia na UFC. O promotor Sílvio Lúcio Correia Lima, da Promotoria de Justiça de Execução penal e Corregedoria dos Presídios, recebeu, nesta quarta-feira (26), fax com a desistência do presidiário Luiz Miguel Militão Guerreiro, preso acusado de ser o mentor da “chacina dos portugueses”, em 2001, na Capital. 

Luiz Miguel havia sido aprovado no vestibular da UFC para Geografia e, através do documento enviado ao promotor, informou que não pretende mais ingressar no curso por conta da repercussão dada ao caso. 

Direito garantido com escolta

O juiz Luiz Bessa Neto havia decidido por garantir a Militão o direito de cursar Geografia, sendo acompanhado por uma escolta de dez policiais, além de um oficial, durante todo o tempo que passasse fora do presídio. A decisão ganhou grande repercussão, e o reitor da UFC emitiunota informando que não aceitaria a presença policial no campus

O crime

Em agosto de 2001, Militão ordenou e participou da execução de seis empresários portugueses na barraca Vela Latina, na Praia do Futuro.

Ele foi preso no dia 23 de agosto do mesmo ano, após a Polícia Federal (PF) revelar que R$ 46 mil tinham sido sacados das contas dos empresários. Melitão assumiu o crime e entregou os comparsas.

No dia 21 de fevereiro de 2002, o criminoso foi julgado e condenado a 150 anos de prisão em regime fechado.

(Diário do Nordeste)