247 – Com voz firme e ênfase nas frases, a presidente Dilma Rousseff abriu a 67ª Assembleia Geral da ONU atacando duramente as “políticas econômicas ortodoxas”, de “expansionismo” das moedas estrangeiras, que promovem uma “guerra cambial” e são calcadas apenas em políticas fiscais e recessivas. Ela disse que tais procedimentos não resolverão a crise e prejudicam a situação dos países emergentes. “Meu país tem feito a sua parte”, cravou, acentuando que o Brasil, com sua política econômica, retirou 40 milhões de pessoas na linha da miséria nos últimos dez anos, controlou a inflação e mantém bons níveis de emprego.

Dilma arrancou aplausos da assembleia por duas vezes. Ao criticar o que vai chamando de “crescimento do precoceito islamofóbico” no mundo e, em seguida, ao dizer que “só uma Palestina soberana atende aos interesses de Israel”, sublinhando que o Brasil defende tanto o Estado israelense como o Estado palestino.

“O multilateralismo está mais forte depois da Rio+ 20”, disse Dilma. Pouco antes, ela defendeu uma “reforma urgente” no Conselho de Segurança da ONU, sem, no entanto, reivindicar nominalmente a entrada do Brasil no organismo. Ao tratar de sustentabilidade, a presidente lembrou que o País tem um compromisso firmado contra o desmatamento da Amazônia.

“O Brasil continua empenhado em trabalhar com seus vizinhos por um ambiente de paz e integração social”, discorreu a presidente, a respeito da América Latina. “Nossa região é um bom exemplo para o mundo”, disse. “Para nós, a democracia não é um patrimônio imunes a assaltos”, disse ela, referindo-se veladamente ao golpe no Paraguai. “Reafirmamos nosso compromisso de manter a região longe de armas de destruição em massa”, disse. Nesse ponto, a presidente não se furtou de citar Cuba como vítima de um “anacronismo”, o embargo econômico do qual é alvo há muitos anos.

A presidente elogiou a organização dos Jogos Olímpicos de Londres, disse que a contagem regressiva já começou para o Rio de Janeiro e pediu para que “a chama olímpica ilumine a assembleia geral”. Ele sustentou que a ONU deve ser fortalecida. Acrescentou, finalizando, que as soluções negociadas tem de ser antecipar e sobrepor às ações violentas.

Abaixo, texto de 247 sobre o discurso do presidente dos EUA, Barack Obama:

247 – O presidente dos EUA, Barack Obama, ocupou a tribuna da Assembleia Geral da ONU fazendo, na prática, um apelo pelo fim das hostilidades contra instalações do país ao redor do mundo. Ele inicou com uma breve biografia do embaixador Cris Stevens, morto durante um ataque à embaixada americana em Bengazhi, na Líbia, duas semanas atrás. “O futuro não pode pertencere àqueles que caluniam o profeta do Islã”, disse. Ele lembrou que a liberdade religiosa é garantida nos EUA, assim como a liberdade de expressão. Afirmou que o governo do país não se sente responsável pelo vídeo que foi considerado agressivo pelos muçulmanos, e provou a atual onda de ataques contra instalações americanas. “A queima de uma bandeira americana não promove a educação de uma criança. A queima de uma embaixada não cria um emprego”, afirmou. Obama anunciou que os EUA manterão sanções contra a Síria, até o fim do regime do presidente Bashar Al Assad.

O presidente dos EUA, após defender o Estado de Israel, afirmou que o governo do Irã “vez após vez” falhou em provar que disse que o regime de Teerã financia grupos terrorista ao longo do mundo. “Uma corriuda nuclear no Irã pode provocar a desestabilização de toda a região e tornar nulos os acordos de não proliferação de armas nucleares”, pontuou, deixando claro que os Estados Unidos não temerão em agir militarmente. Ressalvou, porém, que “ainda há tempo e espaço” para uma negociação pacífica.

Obama lembrou que “Osama Bin Laden não existe mais”, que os EUA e a Rússia reduziram seus arsenais nucleares e que novas parcerias foram formadas para combater a corrupção. “Tudo isso me dá esperança”, disse, para ressaltar que é o povo do mundo que está atuando para melhorar a vida, “como os jovens nas favelas do Rio”, citou. “Para cada pessoa zangada que aparece na tevê, há bilhões que estão unidas em um só sentimento”.

Abaixo, texto da Agência Brasil anterior ao inicio do discurso:

Renata Giraldi _Repórter da Agência Brasil, Brasília – A presidenta Dilma Rousseff será a primeira governante a discursar hoje (25), em Nova York, na abertura da 67ª Assembleia Geral das Nações Unidas (ONU). Ela pretende enviar uma série de mensagens à comunidade internacional, como a busca pelo fim de conflitos, como o da Síria, sem a intervenção militar. Também vai sugerir que os países se empenhem em executar as metas fixadas na Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20.
Dilma pretende ainda defender a necessidade de um esforço conjunto para tentar o reequilíbrio econômico no cenário internacional, atenuando os impactos da crise, principalmente nos países da zona do euro. A presidenta deverá também ressaltar que o Brasil sediará dois grandes eventos esportivos, a Copa do Mundo em 2014 e as Olimpíadas em 2016.
Antes do discurso, a presidenta conversa com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. O discurso de Dilma deve ocorrer por volta das 10h (horário de Brasília). Ontem (24), ela se reuniu com o presidente da Comissão Europeia, o português José Manuel Durão Barroso.
De acordo com Durão Barroso, eles conversaram sobre os impactos da crise econômica internacional na zona do euro e as medidas em discussão para conter esses efeitos, as possibilidades de ampliação do comércio entre o Brasil e a União Europeia, além de uma cúpula que ocorrerá no próximo ano em Brasília.
A presidenta chegou anteontem (23), de manhã, a Nova York. Nos últimos dias, o único compromisso oficial foi com Durão Barroso. Dilma se dedicou a finalizar o texto para o discurso de hoje. Ela viajou acompanhada pela filha Paula e por seis ministros.

No discurso hoje, a presidenta deverá reiterar a necessidade de respeitar a soberania interna e a ordem democrática – referências que dizem respeito diretamente à Síria e ao Paraguai. Na Síria, Dilma deverá defender o fim da violência, a busca da paz por meio do diálogo, o respeito aos direitos humanos e a não intervenção militar.
Dilma deverá, mais uma vez, apoiar o direito de a Palestina ser um Estado autônomo. Ela deve mencionar a necessidade de buscar um acordo de paz entre palestinos e israelenses por meio de negociações.
No âmbito regional, a presidenta deve ressaltar que atualmente na América Latina a integração está diretamente relacionada ao respeito à democracia. É uma referência à necessidade de preservar a ordem democrática, algo que os líderes latino-americanos suspeitam que não ocorreu no Paraguai durante a destituição do então presidente Fernando Lugo, em 22 de junho.

(Brasil 247)
Edição: Graça Adjuto

Anúncios