Reajuste salarial é a principal cobrança das duas categorias. Fotos: Divulgação

Para quem precisa utilizar os serviços oferecidos pelo bancos e Correios de todo o estado do Ceará, é bom ficar atento, pois as duas categorias devem entrar em greve a partir de terça-feira (18). Os sindicatos, porém, ainda vão realizar assembleias na segunda-feira (17).

Dentre as principais reivindicações, as duas categorias cobram reajuste salarial e fazem parte de movimento grevista que atinge todo o Brasil. O Sindicato dos Bancários do Ceará (SEEB/CE) e o Sindicado dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos e Similiares do Estado do Ceará (Sintect-CE) também paralisaram todas as atividades em 2011 quase em igual período deste ano.

Bancos

Os bancários rejeitaram a proposta da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) que previa um reajuste de 6% em todas as verbas, com um aumento real de 0,58%. Uma nova assembleia ainda será realizada na segunda-feira para organizar as ações do movimento.

De acordo com o presidente do SEEB/CE, Carlos Eduardo Bezerra, o reajuste oferecido ainda está longe do que a categoria quer. “Diante dessa postura dos banqueiros, nos oferecendo apenas 0,58% de aumento real, essa é a hora de mostrarmos a nossa força e construirmos um movimento forte para garantir nossas conquistas

A categoria também quer a implantação de um piso salarial de R$ 2.416,38, a elevação para R$ 622 os valores do auxílio-refeição, do auxílio-creche/babá, da cesta-alimentação e da 13ª cesta-alimentação, além da criação do 13º auxílio-refeição. Os protestos durante esse período indeterminado de paralisação também cobrar mais segurança para os funcionários que atuam em agências bancárias.

Correios

A coordenadora do Sintect/CE, Lourdinha Félix, explica que a paralisação vai prejudicar toda a entrega no Ceará e as agências dos Correios também vão deixar de funcionar durante o período. “Toda a entrega vai parar e a intenção é que as agências também não funcionem, pois queremos chamar a atenção para a falta de segurança no trabalho dos carteiros, motoristas e funcionários que atuam nessas agências”, acrescenta.

Félix esclarece que a assembleia analisou a proposta de reajuste salarial feita pela diretoria da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT), que elevou o percentual de 3% para 5,2%. Ela acredita que a recusa da categoria foi causada pela diferença entre o valor cobrado e oferecido. “Além de estar longe do que a gente quer, a ECT pretende alterar algumas regras do nosso plano de saúde e muita gente não vai aceitar isso”, lembra.

Um dos diretores do Sintect/CE, Gemilson Silva, defende que todas as federações precisam entrar em greve a partir da mesma data para causar um forte impacto no serviço em todo Brasil. “A gente decidiu adiar a greve para a próxima semana (na terça-feira) porque alguns estados ainda vão realizar assembleias, mas recusamos a proposta de reajusta salarial de 5,2 % feito pela ECT”, diz.

(JANGADEIRO ONLINE)

Anúncios