“O mercado de shopping centers está aquecido no Nordeste. A força dos investimentos é maior devido ao crescimento econômico da população. No Ceará, Fortaleza é a principal catalizadora desse tipo de investimento com quatro novos shoppings em estudo para ser implantados. Além dos sete empreendimentos já divulgados – RioMar (Papicu), Shopping Parangaba, North Shopping Parangaba (Jóquei Clube), RioMar II (Presidente Kennedy), Shopping Jacarecanga, Monsenhor Tabosa (Praia de Iracema) e Messejana Shopping –, e da sexta expansão do Iguatemi, mais quatro estão sendo prospectados, e deverão se instalar na região sul da cidade nos próximos anos.

A afirmação partiu de uma empresa especializada em estudos de mercado para grandes empreendedores, tanto do segmento de shoppings, como de varejo (supermercados) e do setor imobiliário. Luís Carlos Francischini, sócio-diretor da Gismarket Estudos de Mercado, de São Paulo, afirma que dois dos quatros empreendimentos são de investidores de fora e dois de empresários cearenses, cujos nomes estão sob sigilo contratual. Ele revela, no entanto, as áreas cobiçadas: os bairros de Parangaba e Messejana, mas até outros municípios da Região Metropolitana, como Caucaia, poderão se beneficiar.

“A região sul (de Fortaleza) tem sido olhada com mais critério, apesar da forte concorrência dos empreendimentos da Marquise e do North Shopping”. Francischini diz que entre os interessados em construir na região estão construtoras, incorporadoras, imobiliárias e gente do mercado financeiro. A área, segundo estudo da Gismarket, possui 682.433 habitantes com renda média mensal variando entre R$ 2.101 e R$ 2.307 (19,4% da renda total de Fortaleza).

Contrapartidas

A Prefeitura de Fortaleza apoia novos empreendimentos comerciais, desde que contribuam para a melhoria urbana, ambiental e social da cidade. No caso do RioMar, o grupo João Carlos Paes Mendonça (JCPM) irá proteger a Lagoa do Papicu por 10 anos, alargar ruas do entorno, adequar passeios e construir um túnel de acesso ao shopping. O Instituto JCPM também capacitará mil pessoas para trabalhar nas obras do shopping nas funções de pedreiro, carpinteiro e armador e, mais próximo da inauguração, haverá cursos de qualificação para o varejo, formando um banco com 1.500 pessoas que poderão ser requisitadas pelos lojistas do shopping.

A Marquise, responsável pelo Shopping Parangaba, irá recuperar uma área já degradada, onde funcionava uma fábrica de gesso. “Estamos preservando as árvores já existentes e plantaremos mais 500 nativas, além de recuperar o solo. Além da passarela que ligará o shopping aos terminais de passageiros, iremos construir uma faixa de desaceleração para que a entrada no shopping não comprometa o fluxo de veículos”, afirma Carla Pontes, diretora da holding do grupo Marquise.”

(O POVO)