São Paulo – O início do horário político no rádio e na TV, em São Paulo, provocou efeitos opostos nas candidaturas Fernando Haddad (PT) e José Serra (PSDB). Os números da pesquisa Datafolha divulgados ontem (29), e cujo detalhamento foi colocado hoje (30) no site do instituto, mostram quadro favorável ao petista, com potencial de crescimento, enquanto o tucano apresenta queda em todos segmentos, inclusive entre os que se dizem eleitores do PSDB.

Segundo a pesquisa, o candidato Celso Russomano (PRB) mantém a dianteira das intenções de voto, mas em situação de estabilidade, com os mesmos 31% do último levantamento, na semana passada. A movimentação maior se deu na disputa pela segunda segunda posição: Serra caiu de 27% para 22% e Haddad subiu de 8% para 14%.

Além dos números gerais, conta a favor do petista o fato de ele ainda ser completamente desconhecido por 25% dos entrevistados. Dos que dizem conhecê-lo, apenas 18% afirmam ser “muito bem”, contra 30% que dizem “um pouco” e outros 27% só de “ouvir falar”.

Já a imagem de Serra está consolidada, com um nível de conhecimento de 99% do eleitorado (75% “muito bem”). Russomano também tem pouco para crescer nesse aspecto, já que 96% dizem conhecê-lo (42% “muito bem”).

Partido

Outro ponto favorável a Haddad é sua crescente identificação ao PT – partido que, segundo a pesquisa, tem a preferência de 25% do eleitorado, contra 9% do PSDB e 2% do PMDB. 

Antes do horário no rádio e na TV, muitos eleitores que se dizem petistas não sabiam que Haddad era do partido (essa é a primeira vez que o ex-ministro da Educação dos governo Lula e Dilma disputa uma eleição). No Datafolha anterior, 33% dos petistas declaravam intenção de voto em Russomano, enquanto Haddad tinha a preferência de 29%. Agora Haddad tem 40% e Russomano 21% nessa faixa.

Se está perdendo o voto dos petistas, a pesquisa mostra que o candidato do PRB agora começa a fazer estrago no ninho tucano. Ele saltou de 7% para 23% entre os eleitores do PSDB, enquanto Serra caiu de 76% para 61%.

Juventude

O maior avanço percentual de Haddad se deu na juventude. Na faixa etária de 16 a 24 anos, a opção pelo petista subiu de 7% para 20%, enquanto Serra caiu de 25% para 20% e Russomano manteve os 28% da pesquisa anterior. A faixa em que Serra mais perdeu adeptos foi entre 25 e 34 anos, caindo de 22% para 13%.

Os mais jovens, aliás, são os que tem mais rejeição ao tucano. No geral, 43% dos paulistanos disseram que não votariam em Serra “de jeito nenhum”, de acordo com os termos usados na pesquisa. O índice sobre para 50% entre as pessoas que tem de 16 e 34 anos.

As planilhas publicadas pelo Datafolha não trazem detalhes sobre a audiência ou a percepção dos eleitores em relação ao horário político. A pesquisa foi feita nos dias 28 e 29 com 1.069 entrevistas. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

(Rede Brasil Atual)

Anúncios