O Programa de Orientação e Proteção ao Consumidor (Procon) já registrou 9.843 reclamações, de janeiro a junho deste ano, em Fortaleza. As operadores de telefonia móvel estão sempre presentes no topo do ranking de reclamações. Somente este ano, a empresa Oi liderou as taxas de atendimentos do órgão com 276 casos registrados de janeiro a junho.

Já no índice por áreas, assuntos e problemas, são registradas a maior parte das reclamações de cartões de crédito, assumindo a primeira posição nos últimos cinco anos. De acordo com a assessora de informática do Procon, Anna Stela Pinheiro Craveiro, tal índice dividido em áreas como: alimentação, saúde etc.

De acordo com os dados do Procon, em 2012, as reclamações mais realizadas são em relação ao setor de Produtos, com 1520 registros. Em seguida, aparecem os setores de: Assuntos Financeiros, com 1484 registros, e Serviços Essenciais, com 946.

Como reclamar?

De acordo com o secretário executivo do Procon, João Ricardo, para realizar uma reclamação, basta levar os documentos necessários e cadastrar a denúncia. “O consumidor não precisa ir atrás da empresa antes, mas recomenda-se que procure o serviço de atendimento da mesma”, esclarece. Os documentos necessário são RG, CPF, comprovante de endereço, nota fiscal do produto, por exemplo.

Segundo o secretário, a denúncia pode ser realizada por meio de uma procuração ou pessoalmente. “A pessoa faz um cadastro da reclamação e é elaborada uma Carta de Informação Preliminar (CIP) destinada a empresa”, explica.

Após o envio da CIP, a empresa possui 10 dias para entrar em contato com o consumidor. “A pessoa já é informada que o procedimento é assim. Caso não haja esforço da empresa para solucionar, ela volta para fazer a reclamação e vira um processo administrativo, podendo gerar uma audiência ou até multa”, diz.

Ainda de acordo com João Ricardo, caso o consumidor esteja enganado ou falte com a verdade, a reclamação apenas será constada como não fundamentada. “Como somos um órgão de defesa do consumidor, não podemos punir. Temos que acolher”, afirma.

(Jangadeiro Online)