Além de ter se tornado conhecido da população pelo trabalho nos meios de comunicação, ele foi vereador em Fortaleza

Morreu, na tarde de ontem, o jornalista e ex-vereador Afrânio Marques, 51, em decorrência de problemas oriundos da diabetes. Afrânio estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional da Unimed e, de acordo com o boletim médico, teve falência múltipla de órgãos decorrente de uma infecção generalizada. O enterro está marcado para as 9 horas deste sábado, no cemitério Parque da Paz, na Capital.

Segundo a irmã dele, Ana Marques, o ex-vereador, portador de diabetes, estava com uma dor muito forte na perna direita, que não cessava mediante medicação, sendo, então, necessário o internamento, que ocorreu na noite da última quarta-feira, 23.

Afrânio Marques trabalhou na TV Diário, como repórter policial nos programas Rota 22 e Comando 22

Conforme Ana Marques, na unidade, os médicos detectaram problema de circulação no membro, onde foi feita cirurgia para reverter o quadro, sem sucesso. Afrânio teve o membro amputado, entrando em coma induzido logo em seguida. O falecimento ocorreu às 15h35 de ontem.

O Sindicato dos Jornalistas do Ceará (Sindjorce), de onde o repórter era associado há 25 anos, divulgou, na tarde de ontem, nota de pesar em seu site. “O Sindjorce e a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj) prestam condolências e solidariedade aos familiares e amigos de Afrânio”.

Natural da cidade de Canindé, Afrânio Marques Leite nasceu em 5 de junho de 1961 e era de uma família de oito irmãos. Residiu no Estado da Paraíba, onde concluiu seus estudos na cidade de Campina Grande.

Carreira

No Sistema Verdes Mares, trabalhou como repórter policial nos programas Rota 22 e Comando 22, da TV Diário, entre os anos de 2005 e 2008. O diretor de Jornalismo da TV, Roberto Moreira, destaca o profissional entusiasmado que Afrânio foi, dono de uma determinação que sempre objetivou buscar a resolução dos problemas das pessoas.

“Ele era uma pessoa muito verdadeira e generosa, com grande interesse por jornalismo social”, afirma Moreira.

Para o jornalista e amigo Tom Barros, que trabalhou com Afrânio na TV Diário, o que mais chamava atenção era o zelo com que ele tratava suas matérias. “Dei um abraço muito forte nele no Dia das Mães, então, me chocou muito saber do falecimento dele. Nossa amizade foi muito sincera. Para mim, é uma tristeza enorme”, acrescenta.

Ele também atuou no rádio, como repórter da AM do Povo, e ficou bastante conhecido em sua carreira na televisão. Trabalhou na TV Cidade, no programa Aqui e Agora, de onde saiu para assumir uma cadeira na Câmara dos Vereadores de Fortaleza pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), com 6.466 votos. Na eleição seguinte, ele não conseguiu se manter na vaga, tirando 2.613 votos pelo PL e, nos anos seguintes, apesar de concorrer, não obteve êxito nos pleitos. 

(Diário do Nordeste)

Anúncios