Uma funcionária do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJ-RN), suspeita de participar de um desvio de R$ 20 milhões do órgão, acusou dois desembargadores de envolvimento no esquema. Carla Ubarana Leal, que trabalha desde 2007 na divisão de precatórios do tribunal, disse que o dinheiro roubado foi dividido entre ela e dois ex-presidentes do órgão. “Entreguei a desembargador Osvaldo Cruz e entreguei a desembargador Rafael Godeiro”, disse. O esquema usou vários métodos para fazer o dinheiro sair da conta do tribunal, inclusive pagando os chamados “laranjas”. As informações são do programa Fantástico, da TV Globo.

A funcionária do TJ afirmou que ela e o marido, que também é acusado de montar o golpe, gastaram parte do dinheiro comprando imóveis, fazendo viagens e adquirindo bens. Em depoimento ao Ministério Público do Rio Grande do Norte, Carla falou de uma mansão à beira-mar adquirida com a verba desviada. “Ela (a casa) tem, como diz meu marido, mais de 2 mil² só de grama”. Segundo o procurador-geral do Estado, Luciano Ramos, o dinheiro foi desviado por meio de precatórios. “O responsável por autorizar estes pagamentos é o presidente do Tribunal de Justiça. E, à época, eram justamente os dois desembargadores que foram afastados pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ): Osvaldo Cruz e Rafael Godeiro”, disse Ramos. Procurados, os ex-presidentes do TJ-RN não quiseram falar sobre o caso e negaram a acusação. Como têm foro privilegiado, são investigados em liberdade pelo STJ. Carla e o marido estão em prisão domiciliar. O casal e os laranjas respondem por peculato e formação de quadrilha.

(PORTAL TERRA)

Anúncios