Rio de Janeiro recebeu no dia 10 de abril (terça-feira), o primeiro Seminário Itaú Empresas de 2012. Evento promovido pelo banco percorrerá as 12 cidades sede ao longo do ano para debater os impactos econômicos que o maior evento esportivo do mundo deve gerar. Discutirá ainda como empresários devem se preparar para entrar em campo e ganhar o jogo.

São Paulo – Para o Itaú, patrocinador oficial da Copa do Mundo da FIFA 2014, o jogo já começou. Ao longo do ano, o banco promoverá debates nas 12 cidades sede com o objetivo de mostrar à comunidade empresarial que já é hora de entrar em campo. A iniciativa, denominada Seminário Itaú Empresas, tem como objetivo reunir empresários, autoridades, entidades e academia para discutir os impactos econômicos e as oportunidades de negócios que serão gerados por conta da Copa do Mundo da FIFA 2014. O evento também abordará como pequenos e médios empresários podem aproveitar a oportunidade para crescer de maneira sustentável e de que maneira devem se preparar.

O primeiro Seminário Itaú Empresas ocorreu hoje (10), no Rio de Janeiro, e contou com a participação do economista Ricardo Amorim; do Secretário Municipal Especial para a Copa do Mundo da FIFA de 2014 e para os Jogos Olímpicos de 2016, Ruy Cesar; do Sócio fundador e executivo da SCORE Sport Business & Consultoria, Rafael Plastina; e do autor do livro “O Brasil e a Copa do Mundo”, Ricardo Azevedo. Ao longo de 2012 o evento ocorrerá também em Porto Alegre, Brasília, São Paulo, Curitiba, Belo Horizonte, Fortaleza, Recife, Cuiabá, Salvador, Manaus e Natal.

Segundo dados apurados pelo Itaú Empresas, nos próximos três anos haverá incremento de cerca de três milhões de turistas, sendo dois milhões de estrangeiros e um milhão de brasileiros, no país. Essa população extra incrementará toda a economia. O volume financeiro movimentado por esses turistas deve gerar receitas adicionais de aproximadamente R$ 5 bilhões para as empresas brasileiras, beneficiando especialmente os setores de hotelaria, transporte, comunicações, cultura, lazer e comércio varejista.

Para não perder esse jogo, os empresários precisam estar preparados. Isso tem que se dar de maneira adequada e escalonada para o aumento de demanda, treinando a mão de obra, investindo em equipamentos e aumento de produção, planejando novas contratações e se prevenindo para possíveis ajustes de rota. Primeiramente, os empresários devem avaliar se o setor em que estão inseridos será impactado, mesmo que indiretamente. Depois, precisam estudar profundamente o seu público consumidor, os seus concorrentes e a sua rede de fornecedores. Com essas informações em mãos, o próximo passo é elaborar um plano de negócios bem detalhado que contemple as ações pré, durante e pós evento.

Segundo Marcos Massukado, diretor comercial do Itaú Empresas, a comunidade empresarial deve estar atenta às oportunidades dos próximos anos, pois o País receberá não apenas a Copa do Mundo da FIFA 2014, mas outros eventos importantes, como a Copa das Confederações em 2013, a Copa América em 2015 e os eventos esportivos no Rio de Janeiro em 2016. O executivo ressalta que as oportunidades serão muitas, mas as empresas precisam se preparar desde já. A antecedência e o planejamento cuidadoso serão imprescindíveis, e o alinhamento entre planejamento financeiro, estratégia de marketing e gestão de pessoas será fundamental.

“Temos grandes exemplos de países e cidades que se transformaram com eventos esportivos dessa magnitude. Queremos o mesmo para o Brasil, porque acreditamos no potencial do empresariado brasileiro. Importante que o empresário tenha visão de longo prazo e foque no legado que a Copa do Mundo da FIFA 2014 pode deixar para o seu negócio. E não falo apenas em relação ao aspecto financeiro, mas também de qualificação de mão de obra, de melhoria na qualidade do serviço e do produto, e na criação de uma relação perene com os seus clientes, que prime pela transparência e pelo bom atendimento. É essa mensagem que queremos passar para a comunidade empresarial”, finaliza Massukado.

Impactos macroeconômicos da Copa do Mundo da FIFA 2014 -Segundo estudo liderado por Ilan Goldfajn, economista chefe do Itaú Unibanco, a Copa do Mundo da FIFA 2014 deve ampliar o PIB em 1,5 ponto percentual e gerar cerca de 250 mil empregos no Brasil. Além disso, cerca de 165 milhões de potenciais consumidores no país devem gastar de US$ 3 bilhões a US$ 6 bilhões até 2014.

“Boa parte do impacto econômico da Copa do Mundo da FIFA 2014 virá de grandes obras de infraestrutura. Mas os efeitos multiplicadores deste crescimento inicial, bem como os efeitos da melhor infraestrutura pós-evento espalhará os benefícios para as pequenas e médias empresas”, afirma Ilan. As 12 cidades-sede do torneio devem receber R$ 142 bilhões em investimentos para a preparação do maior torneio mundial de futebol. Somente em infraestrutura devem ser investidos R$ 37 bilhões, na construção de estádios R$ 7,2 bilhões, no setor de telecom R$ 4,2 bilhões e no de segurança R$ 4,1 bilhões. Já o consumo deve receber incremento de R$ 8 bilhões até 2014.

Em paralelo, haverá um forte avanço no consumo da classe média. Em levantamento realizado pelo banco, até 2014 a classe média deve crescer 23%, passando de 114 milhões para 140 milhões de pessoas, fator que também proporcionará aumento de demanda para as pequenas e médias empresas. “Na América Latina em geral, e no Brasil em particular, a alta participação de pequenas e médias empresas na atividade econômica destoa da média mundial. Desta forma, boa parte do crescimento econômico do país nos próximos anos será sustentado por este segmento”, conclui Ilan, economista-chefe do Itaú Unibanco.

Palestrantes e debatedores-Ricardo Amorim (mediador e palestrante) – Economista formado pela USP, Ricardo Amorim é pós-graduado em Administração e Finanças Internacionais pela ESSEC de Paris. Atua no mercado financeiro desde 1992, trabalhou em Nova York, Paris e São Paulo sempre como economista e estrategista de investimentos.

Ruy Cesar – Secretário municipal especial para a Copa do Mundo da FIFIA de 2014 e para os Jogos Olímpicos de 2016 – Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro. Coordenou, no âmbito da Cidade, a elaboração do dossiê de candidatura e todos os procedimentos para a visita obrigatória de inspeção dos Membros do Comitê Olímpico Internacional nas Cidades Candidatas.

Rafael Plastina – Sócio fundador e executivo da SCORE Sport Business & Consultoria Ltda. Professor dos cursos de Pós-Graduação em Gestão e Marketing Esportivo da Trevisan e da Anhembi Morumbi.

Ricardo Azevedo – CEO Alpha Co Brasil. Docente na Universidade Federal da Bahia/Escola de Administração e Universidade Anhembi/Morumbi (SP). Atua em dois projetos associados a Copa do Mundo da FIFA (Arena Castelão em Fortaleza e Arena Independência em Belo Horizonte), além de assessoria especial do comitê da Copa do Mundo da FIFA da cidade de São Paulo. É autor do livro “O Brasil e a Copa do Mundo”, publicado em 2010.

Calendário dos próximos Seminários Itaú Empresas: Porto Alegre – 18 de abril | Natal – 23 de maio |Brasília – 13 de junho| São Paulo – 21 de junho | Curitiba – 07 de agosto | Belo Horizonte – 16 de agosto | Fortaleza – 27 de agosto | Recife – 20 de setembro| Cuiabá – 10 de outubro|Salvador – 17 de outubro | Manaus – 07 de novembro.

O Itaú Unibanco é o maior conglomerado financeiro da América Latina e está entre os dez maiores bancos do mundo em valor de mercado e, entre eles, é a instituição com maior ROE (retorno sobre o patrimônio). Fruto da fusão entre duas grandes instituições financeiras, o banco consolidou sua liderança como banco especialista no mercado de pequenas e médias empresas, buscando identificar as melhores soluções financeiras para necessidades específicas de seus clientes.

Além disto, o Itaú se estruturou para ser um grande parceiro de negócios de seus clientes, buscando orientá-lo de acordo com as necessidades do dia a dia e abordando temas que agreguem valor e efetivamente contribuam para a melhoria do desempenho financeiro dos negócios. Esse papel se traduz, dentre outras iniciativas, na realização de uma série de eventos voltados ao empresário nos quais são abordados temas como educação e gestão financeira, segurança e agilidade nos processos, tecnologia, gestão de mudanças e cenário macroeconômico.

Somente em 2010, foram realizados 21 encontros desse tipo em 15 cidades, impactando cerca de 20 mil clientes. Em 2011, o Seminário Itaú Empresas passou por Florianópolis, Manaus, Belém, Recife, Curitiba, Brasília, Campo Grande e Vitória, atingindo quase quatro mil pessoas. A realização da série de 12 seminários sobre os impactos econômicos da Copa do Mundo da FIFA 2014 faz parte desse posicionamento.

 (REVISTAFATOR)