Pacatuba, a 32 km de Fortaleza, dá início hoje (5), às 19h, às apresentações da sua 38ª Paixão de Cristo. A peça também é encenada na sexta-feira (6), no mesmo horário. Antes do espetáculo, haverá apresentações musicais do universo gospel. Como ocorre desde 2001, o espetáculo, de duas horas, será realizado na Praça da Paixão, um espaço de oito mil metros quadrados, com cenários fixos que fazem referência a Jerusalém. No palco, cerca de 180 atores e figurantes encenam os últimos momentos de Cristo – a maioria, da própria localidade e os demais de regiões limítrofes.

Este ano, quem irá representar Jesus Cristo na peça é o ator cearense Glauco de Lucena, que já viveu o papel quatro vezes na encenação promovida pela Prefeitura de João Pessoa (PB), através da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope). O papel de Maria ficará a cargo da atriz Fernanda Zeballos, representante do cenário teatral da capital cearense. “É uma experiência única porque convivemos com um elenco especial, composto de pessoas que não só atuam na peça. Eles vivem a peça”, diz Zeballos.

E a atriz tem razão. Experiência apoiada pelo poder público – que gasta cerca de R$ 200 mil por edição – a encenação é, sobretudo, uma ação de protagonismo cultural da comunidade, mudando a realidade de pessoas que no passado jamais ousariam sonhar com uma carreira artística, mas que hoje se projetam e se reconhecem como capital humano. A inclusão cultural dos atores é oportunizada, principalmente, pelas capacitações nos cursos e oficinas oferecidos pela Secretaria Municipal de Turismo e Cultura (Funtec), através de recursos do Ponto de Cultura do Ceará. Desde 2008 a Paixão de Cristo, de Pacatuba, é Ponto de Cultura.

É o caso, por exemplo, da ex- doméstica Maria Virlene Oliveira da Silva, 29 anos. Atriz da Paixão de Cristo, há quase uma década, Virlene, hoje, é produtora de elenco da peça. A profissionalização rendeu convites para a mesma função em longas metragens filmados em Pacatuba nos últimos anos, entre eles o filme “As mães de Chico Xavier”. “Não deixei escapar as oportunidades. Hoje, posso dizer que estou realizada na minha profissão”, afirma. Detalhe: os atores da Paixão de Cristo também atuaram nos longas, fazendo figuração.

ESPETÁCULO
A Paixão de Cristo de Pacatuba conta ao todo com 300 profissionais. A estrutura possui camarotes e arquibancadas, cinco telões, show pirotécnico e toda uma parafernália que busca dar realismo à apresentação. A iluminação e sonoplastia, por exemplo, seguem uma linguagem complementar ao que as pessoas estão assistindo. A Prefeitura também contratou uma empresa de efeitos especiais. “E a população fica orgulhosa. A peça possui caráter endógeno”, ressalta o secretário Emanuel Monteiro.

(O ESTADO)