LÍDER DA LEGIÃO URBANA SEGUE COMO O PROTAGONISTA DE UMA ÉPOCA CONSIDERADA O GRANDE DIVISOR DE ÁGUAS DO ROCK BRASILEIRO

27 de Março de 2012

Manuela Meneses_247- O criador da banda Legião Urbana, se estivesse vivo, completaria 52 anos nesta terça-feira, 27. Renato Russo, nascido Renato Manfredini Júnior, foi o protagonista de uma época considerada o grande divisor de águas no cenário musical brasileiro. Líder da geração Coca-Cola, o músico tornou-se a principal referência entre as bandas de rock de Brasília ao formar o Aborto Elétrico nos anos 1970. O movimento, que ficou conhecido como Turma da Colina, lançou grandes bandas do panorama brasiliense, como Capital Inicial, Paralamas do Sucesso e Plebe Rude.

Autêntico, influente e, às vezes, desbocado, Renato criou letras críticas para tentar mudar o que estava a sua volta. O ápice do sucesso aconteceu durante a década de 80. Acompanhado por Marcelo Bonfá, Dado Villa-Lobos e Renato Rocha, que participou de apenas cinco álbuns, Renato lançou dezesseis discos com a Legião Urbana e soma mais de 20 milhões de cópias vendidas. Entre os sucessos que consagraram a banda está “Será”, “Pais e Filhos” e “Faroeste Caboclo”, que fazem parte de uma série de músicas atemporais do repertório do compositor.

Já reconhecido como um grande poeta pelo público brasileiro, Renato morreu em 11 de outubro de 1996, em decorrência de complicações causadas pelo vírus da AIDS. Mesmo sendo homossexual assumido, ele preferiu não tornar pública a doença, descoberta em 1989. O músico permaneceu na Legião Urbana até o momento de sua morte, porém, o grupo não conseguiu seguir sem Renato e acabou se separando onze dias depois do falecimento. Renato deixou apenas um filho: Giuliano Manfredini. O herdeiro de 21 anos também é músico, e participou do filme “Somos tão jovens”, que conta a trajetória de Renato até o sucesso com a Legião Urbana.

(BRASIL 247)

Anúncios