Menor município do Ceará, Guaramiranga (com 107,60 quilômetros quadrados) e encravado no Maciço de Baturité, ficou menor, também, em número de leitos ofertados ao público visitante. O Hotel Escola de Guaramiranga, que por mais de duas décadas recebeu turistas do Ceará e de todo o País, deixa de ser utilizado como hotel-escola aberto ao público e passa a ser administrado, a partir de hoje, pelo Instituto Federal de Educação do Ceará (IFCE) apenas como escola técnica. 

No domingo (25/2), o Hotel Escola, administrado há 10 anos pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial do Ceará (Senac-CE), recebeu seus últimos hóspedes e encerrou, oficialmente, as atividades para o público externo. Agora, suas 20 espaçosas suítes serão desativadas e transformadas em salas de aula.

O contrato entre Senac-CE e Governo do Estado para administrar o equipamento se encerra, legalmente, em abril, mas a direção do Senac decidiu restituir o equipamento antes para “não atrapalhar” os projetos do Governo Estadual para o complexo.

Nesses 10 anos, o Senac Ceará investiu aproximadamente R$ 7,8 milhões no Hotel-Escola, recuperando a estrutura física, mobiliando e equipando suas dependências e realizando mais de 200 cursos, capacitando 4.889 pessoas, o que representa 7% de toda a população local.

Ana Cláudia Martins, diretora regional do Senac, comentou que, caso a cessão por comodato fosse renovada por mais 10 anos, um dos projetos seria o de ampliar o número de quartos dos atuais 20 para 30. Explicou que este seria um número para que o hotel começasse a atingir um ponto de equilíbrio, entenda-se: dar retorno financeiro já que, até o encerramento das atividades, as despesas do equipamento estavam sendo cobertas pelo Senac.

Ponto positivo para a instituição foi seu programa de demissão voluntária. Com ele, o Senac está tentando a recolocação dos 20 funcionários fixos do hotel em empresas da região. Outros quatro já saíram e montaram seus próprios empreendimentos. O Senac, segundo Ana Cláudia, continuará atuando na região, mas um outro hotel-escola está descartado.

 (Rebecca Fontes – O Povo Online)