Bruno Formiga 

Portal Esportes O POVO

Quando as polêmicas, as vaidades e os mandos e desmandos saíram de cena, com apenas os jogadores protagonizando o Clássico-Rei, Ceará e Fortaleza fizeram valer a espera. Um duelo com um segundo tempo de arrepiar, decidido nos acréscimos. Kauê, aos 47 minutos do segundo tempo, decretou a vitória do Leão, agora líder do Campeonato Cearense.

Ainda invictos no Estadual, Ceará e Fortaleza entraram em campo preferindo o respeito à ousadia. Nem mesmo o 4-2-1-3 do Vovô ou a escalação do veloz Cléo no Leão foram capazes de fazer do Clássico-Rei um duelo aberto no primeiro tempo. Em 45 minutos, apenas duas chances claras de gol.

O Ceará de Dimas Filgueiras escolheu insistir pelo lado direito quase o tempo todo, apostando na velocidade de Apodi e na movimentação do jovem Romário. Acabou por lá conseguindo assustar o goleiro Lopes, mas sem orbigar o camisa tricolor a fazer muito esforço para defender.

Já o Fortaleza, mais precavido no meio e com Geraldo marcado tanto por João Marcos como pela torcida alvinegra, via em Cléo a melhor alternativa para chegar até o gol de Fernando Henrique. E foi justamente ele que mandou uma cabeçada na trave e inicou o lance que terminou com o bom chute de Rômulo, defendido pelo goleiro do Vovô.

A morosidade da primeira etapa, marcada por muitas faltas, acabou tão longoa bola rolou para o segundo tempo. Em menos de dois minutos, Careca quase marcou para o Fortaleza e Romário, com um chute na trave, por pouco não fez o gol do Ceará. Lances suficientes para que o Clássico-Rei, de fato, começasse.

Prova disso é que aos 4 minutos, Apodi foi derrubado por Lucas. O árbitro apontou pênalti, batido e convertido por Felipe Azevedo. Ceará 1 a 0. E festa na metade alvinegra do PV, que por pouco não viu Cléo empatar no minuto seguinte.

Jogou ficou lá depois do gol. Mais rápido, mais aberto. Melhor. Ceará e Fortaleza revezavam. Um assustava. O outro respondia. Contra-ataque do Vovô. Gol anulado do Leão. E cada vez a partida tinha mais espaços. Foi assim até o final, quando Cléo mandou para a área e encontrou Ciro Sena, sozinho. 1 a 1.

Parecia tudo resolvido. Mas Cléo avançou e foi derrubado. Falta. Na cobrança, Kauê mandou no canto. Fernando Henrique nem se mexeu. Fortaleza 2 a 1, aos 47 do segundo tempo. No Clássico-Rei da polêmica divisão de torcidas, melhor para o Tricolor.

FICHA TÉCNICA

Ceará: Fernando Henrique, Apodi, Heleno, Daniel Marques e Eusébio; João Marcos, Juca e Leandro Chaves (Rogerinho); Felipe Azevedo (Misael), Mota e Romário (Ederson).

Fortaleza: Lopes; Rafinha (Thiago Potyguar), Ciro Sena, Cléber Carioca e Kauê; Leandro, Careca (Bismarck), Lucas e Geraldo; Cléo e Rômulo (Ray).

Local: estádio Presidente Vargas

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro-MG

Assistentes: Roberto Braatz-PR e Fabrício Vilarinho-GO

Cartões amarelos: Juca (C), Careca (F), Apodi (C), Lucas (F), Leandro Chaves (C), Felipe Azevedo (C), Daniel Marques (C)

Gols: Felipe Azevedo (aos 5min do 2T), Ciro Sena (aos 43min do 2T) e Kauê (aos 47min do 2T)

Renda: R$ 298.996,00

Público pagante: 13.185
Público não pagante: 718
Público total: 13.903