A FIFA voltou a cogitar a redução do número de cidades sedes da Copa do Mundo em 2014. Após reunir-se com a diretoria do Comitê Organizador Local (COL) e o Ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, o secretário geral da instituição, Jérôme Valcke deixou o alerta “escapar” durante a entrevista coletiva.

“O fato é que um país dedicado, com estrutura e acostumado ao futebol, como é, antes de qualquer outro, o caso do Brasil, pode perfeitamente fazer uma Copa eficiente com dez ou até mesmo oito sedes”, declarou o francês. A frase veio após o secretário geral criticar as obras da Arena das Dunas, em Natal (RN). O emissário da FIFA classificou a obra Potiguar como muito atrasada.

“O estádio de Natal é uma dúvida. Definitivamente há muito atraso. É preciso acelerar o passo para a Fifa ter a certeza de que vai estar na Copa. Teremos um monitoramento especial lá”, revelou Valcke, que adotou um tom “morde e assopra” durante a coletiva, tecendo críticas e elogios ao Brasil. Vale lembrar que no caso de o número de cidades sedes serem excluídas do Mundial, Manaus correria um risco razoável.

A capital amazonense está no grupo das cidades que receberão apenas quatro jogos do Mundial, juntamente com Curitiba (PR), Cuiabá (MT) e a criticada Natal. O “lobby” para que o Rio de Janeiro receba partidas da Seleção Brasileira (o time canarinho só jogará no Maracanã se chegar à final da Copa), também pode representar um risco para a redução do número de sedes.

Compromisso
Diretor da Unidade Gestora da Copa de 2014 em Manaus (UGP Copa), Miguel Capobiango se mostrou tranquilo quanto às declarações de Valcke. Para Capobiango, não há qualquer possibilidade de a capital amazonense ficar de fora do Mundial.

“Sinceramente não vejo essa declaração como ameaça. O Valcke quer apenas pressionar Natal e esse recado dele não é para Manaus. Eu posso afirmar que da forma como as cidades sedes estão comprometidas e empenhadas nos projetos da Copa do Mundo, não há como falhar”, destacou Miguel.

Segundo cálculos da UGP Copa, 31% da Arena da Amazônia já está concluída. A construção do novo estádio amazonense já consumiu R$ 77 milhões entre recursos do Governo do Estado e do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A obra da Arena  está orçada em R$ 500 milhões e deve ser concluída em junho de 2013.

Nova visita
Jérôme Valcke retorna ao Brasil em março. Ele terá um encontro com a presidente Dilma Rousseff e visitará as obras em Brasília, Cuiabá e Recife. Ele também deve anunciar o slogan do Mundial e os primeiros Centros de Treinamento para Seleções. A previsão é que a lei geral da Copa já tenha sido aprovada até a visita. Ainda em 2012, o emissário da FIFA e membros do COL virão à Manaus.

Miguel Capobiango –  Diretor da Unidade Gestora da Copa em Manaus (UGP Copa)

1  Como está o andamento das obras da Arena da Amazônia?
Temos 31% da Arena concluída e estamos seguindo o cronograma. Estamos terminando a instalação de duas novas gruas. Elas vão auxiliar na instalação dos pré moldados que formam as arquibancadas inferiores. Montamos um calendário para que os trabalhos não fiquem comprometidos durante o nosso inverno.

2  As obras de mobilidade urbana também foram criticados por Jérôme Valcke. Como está a situação dos projetos amazonenses?
Estamos trabalhando nos projetos do BRT e do Monotrilho. Os projetos estão sendo atualizados. Provavelmente nós já vamos ter uma definição quanto ao BRT até o final do mês. Já em relação ao Monotrilho, nós avançamos nos documentos e nas respostas ao questionamentos da Controladoria Geral da União. O monotrilho é muito mais complexo. Temos questões como terrenos desapropriados e o financiamento da obra.

(PORTAL A CRÍTICA)

Anúncios