GOVERNADOR EDUARDO CAMPOS, PRESIDENTE DO PARTIDO EM ASCENSÃO, DIZ A ALIADOS ESTAR CERTO DA PARTICIPAÇÃO DA BASE DE DILMA NO BOMBARDEIO AO AFILHADO, O MINISTRO FERNANDO BEZERRA COELHO

12 de Janeiro de 2012

247 – O PSB começou a traçar planos para se distanciar do PT e reforçar os laços com a oposição tucana nas eleições municipais. A relação entre socialistas e petistas se deteriora em meio ao tiroteio contra o ministro Fernando Bezerra Coelho (Integração Nacional), que depõe hoje no Congresso sobre as acusações de nepotismo e favorecimento a Pernambuco na liberação de recursos federais. A reportagem é da Folha de S. Paulo.

O governador Eduardo Campos, presidente do PSB, tem dito a aliados estar certo da participação do PT no bombardeio ao afilhado. Cotado para disputar a Presidência em 2014, ele articula a montagem de chapas com o PSDB, principal partido de oposição a Dilma, em diversas capitais do país.

A intenção dos socialistas é ter candidato próprio a prefeito em 12 capitais e outros 1.537 municípios -mais que o dobro das eleições de 2008.

Em Belo Horizonte, por exemplo, o prefeito Márcio Lacerda (PSB) se afastou dos petistas e já garantiu apoio tucano para disputar a reeleição. O mesmo aconteceu em Natal. Em 2008, os dois partidos se uniram para lançar a petista Fátima Bezerra a prefeita. Este ano, Vilma Faria (PSB) concorrerá sem apoio do PT.

Em Curitiba, Luciano Ducci (PSB) disputará a reeleição com apoio dos tucanos e em oposição ao PT. Em São Paulo, os socialistas integram o governo Geraldo Alckmin (PSDB) e planejam apoiar um aliado dele na capital.

Bezerra Coelho deve falar hoje à Comissão Representativa do Congresso Nacional, após o jornal “O Estado de S.Paulo” revelar que Pernambuco, seu Estado de origem, foi o principal destino de verbas do Ministério comandado por ele, em obras de prevenção e preparação de desastres naturais. Em meio a denúcias de favoriismo político, segundo o jornal Folha de S.Paulo, a empresa de um amigo e correligionário de Bezerra Coelho também foi escolhida para firmar um contrato de R$ 4,2 milhões com a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), vinculada à Integração Nacional.

“Eu vou ao Congresso amanhã, pediria a sua compreensão e a dos demais, que todas essas perguntas relativas a essas matérias de supostas denúncias em relação à minha pessoa, eu terei tempo e estarei no local adequado não só para responder aos representantes do povo brasileiro lá no Congresso, mas após as minhas explicações, também estarei à disposição de toda a imprensa”, afirmou Bezerra Coelho aos jornalistas, após participar de reunião no Palácio do Planalto para tratar de enchentes.

(Créditos BRASIL 247)