FORTALEZA, CARTÃO POSTAL DO NORDESTE
Empresários europeus abrem vagas de emprego em todo o Nordeste
Os europeus descobriram o Nordeste como terra de boas oportunidades para ganhar dinheiro. Os novos empreendimentos dos estrangeiros estão abrindo vagas de trabalho para os brasileiros.
A experiência de sete anos na cozinha de um hotel na Alemanha virou empreendimento no brasil. Depois de conhecer Fortaleza, o comerciante Wolfgang Gast viu aqui as condições ideais para montar um restaurante. “Aqui a temperatura é constante, quente. Eu gosto muito de quente, não gosto de frio e fiquei mais vezes em férias aqui e depois eu pensei: vou procura alguma coisa para investir meu dinheiro, investir aqui, eu acho que vale a pena”.
O alemão já ampliou o negócio e contratou onze funcionários. Entre eles, Sueli de Araújo, que estava desempregada. “Eu tinha colocado muitos currículos, não tinha sido chamada e aqui eu fui indicada por uma pessoa que trabalha aqui e fiz a entrevista e fiquei. Foi uma boa oportunidade”, diz a garçonete.
Os estrangeiros oferecem empregos que vão de serviços operacionais, como motorista, cozinheiro e arrumadeira, a gerentes bilíngues.
As belezas e o clima, com calor o ano inteiro, fizeram do Nordeste o alvo natural dos empreendimentos dos estrangeiros voltados para o turismo. Alguns grandiosos e até inéditos por aqui.
Um campo de golfe foi o negócio inicial de um consórcio português, em sociedade com um cearense. O lugar também tem hotel de luxo e lotes residenciais. Em cinco anos, quando estiver todo concluído, o complexo vai gerar 4.500 empregos diretos.
O IBGE mostra mudança no mapa da imigração no Brasil. O litoral nordestino agora é o lugar preferido para os estrangeiros se instalarem: no Ceará, a quantidade aumentou quase 77% por cento em dez anos. O Rio Grande do Norte ficou em segundo lugar (70,5%), seguido por Sergipe (56,4%).
Além de gerar emprego, eles também têm proporcionado muita diversão para os brasileiros. “Eles são empreendedores pela própria natureza. Sempre traz o know-how e este know-how que ele traz de fora faz com que o negócio cresça mais rapidamente. Então, nós só temos a ganhar”, acredita Eduardo Bezerra, centro de negócios da Federação das Indústrias do Ceará.
(JORNAL FLORIPA)