A biografia autorizada de Steve Jobs escrita pelo jornalista Walter Isaacson, lançada pouco tempo depois da morte do fundador da Apple, em outubro, ficou em primeiro lugar na lista dos livros mais vendidos do ano da livraria virtual Amazon. A empresa afirmou que as vendas – tanto na versão em papel como na eletrônica – foram “fenomenais”.

“Depois de um ano indicando livros a nossos clientes, é sempre divertido observar a repercussão”, afirmou em declaração Chris Schluep, editor sênior da Amazon. “Escolhemos Steve Jobs como um dos 10 melhores livros do ano, e ainda que tenha sido publicado em outubro, as vendas foram fenomenais nos dois formatos.”

Vítima de câncer

Jobs morreu em 5/10, aos 56 anos. Vítima de um câncer raro no pâncreas, em 2009 passou por um transplante de fígado. Dois meses antes de sua morte, o fundador da Apple e “pai” do iPhone e do iPad se afastou do comando da empresa. “Sempre disse que, se chegasse o dia em que eu não pudesse mais responder a meus deveres e às expectativas como CEO da Apple, seria o primeiro a avisar. Infelizmente, este dia chegou”, anunciou.

O empresário fundou a Apple em 1976 junto com o amigo Steve Wozniak. Dez anos mais tarde, foi afastado da companhia por problemas com a administração. Comprou, então, o estúdio de animação Pixar e fundou a empresa de desenvolvimento de software NeXT. Em 1996, a Apple comprou a NeXT, e Jobs estava de volta.

Em artigo no site do Instituto Poynter, em agosto, Jeff Sonderman resumiu a importância de Jobs no mundo tecnológico de hoje: “ [Steve Jobs] criou ou pelo menos definiu quase todos os aspectos da tecnologia móvel de consumo que hoje é parte do futuro da mídia e seu segmento que cresce mais rápido”. Com informações do San Jose Business Journal [12/12/11].

(OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA)

Anúncios