Igor Mello

 

A investigação da Polícia Civil contra os líderes contraventores, batizada de Operação Dedo de Deus, trouxe à tona novamente o tema do jogo do bicho e suas relações com o poder. Além dos 44 presos, também são procurados os contraventores Aniz Abraão David, o Anízio, Luís Pacheco Drummond, o Luizinho, e Helinho da Grande Rio. Em comum, além das atividades criminosas, os três têm a íntima ligação com escolas de samba e o poder político nestas comunidades, evidenciado com discursos públicos, doações ou articulações nos bastidores.

Bons companheiros: governador abraça Carlinhos Maracanã sob vigilância de Anísio e companhia
Bons companheiros: governador abraça Carlinhos Maracanã sob vigilância de Anísio e companhia

Em 6 de janeiro de 1991, o Jornal do Brasil noticiou com destaque a reunião do governador Moreira Franco com a nata da contravenção carioca com a justificativa da doação de um terreno para a construção de um Museu do Samba e de um protótipo do que seria a Cidade do Samba, no Caju. Durante o encontro, muitos abraços e apertos de mão com Anízio, Luizinho Ailton Guimarães Jorge, o Capitão Guimarães, Paulo de Andrade, herdeiro de Castor, e Carlos Teixeira Martins, o Carlinhos Maracanã. 

>> Operação contra jogo do bicho já tem 44 presos

A repetição das mesmas figuras vinte anos depois mostra o nível de influência dos principais senhores do jogo do bicho na sociedade carioca.

Anízio é o líder máximo da Beija-Flor de Nilópolis, atual campeã do carnaval carioca. Principal expoente de uma família enraizada nas estruturas de poder do município da Baixada Fluminense, ele talvez seja, atualmente, o melhor exemplo da influência que os grandes banqueiros do bicho exercem sobre os rumos do poder nos locais onde se estabelecem e como podem influenciar a política em nível estadual e até mesmo nacional.

O atual prefeito de Nilópolis é Sérgio Sessim (PP), sobrinho de Aniz Abraão David. Seu antecessor era Farid Abraão, irmão do patrono da Beija-Flor que comandou a cidade por oito anos. Mas a capacidade de “indicar” os mandatários de Nilópolis data de várias décadas. Seu primo, Simão Sessim (PP), pai do atual prefeito, já acumula oito mandatos consecutivos como deputado federal depois de ter comandado a prefeitura entre 1973 e 1977.

Além deles, Anísio também conseguiu eleger seus irmãos Jorge Sessim David e Miguel Abrahão para a prefeitura e seu sobrinho Abraão David Neto vereador. A proximidade com o bicheiro já chegou a provocar até mesmo um racha no PT do Rio de Janeiro. O entrevero aconteceu no ano de 2003, quando o partido acertou um acordo para apoiar a reeleição de Farid Abraão. Nomes de peso do partido, como Antonio Carlos Biscaia, Alesssandro Molon e o então petista Chico Alencar, se manifestaram publicamente:

“Aprovar uma aliança com o jogo do bicho em Nilópolis é inaceitável. E ainda querem botar para fora do partido as pessoas com padrões éticos”, disse Biscaia à época.

Na mesma linha, Chico Alencar também criticou a medida.

“O PT não pode aceitar a filiação de pessoas que não têm uma trajetória identificada com a legenda. Podemos até analisar coligações, mas nunca fazer política escancarando as portas”.

Dinheiro sujo do bicho respingou até em José Dirceu

Outra prova do envolvimento íntimo dos bicheiros na política brasileira foi o escândalo motivado depois que uma gravação comprovou uma negociação entre Waldomiro Diniz, assessor pessoal de José Dirceu, e o bicheiro Carlinhos Cachoeira veio a público em 2004. 

Gravada em 2002, durante o processo eleitoral, o diálogo mostra explicitamente Diniz, então presidente da Loterj, pedindo dinheiro para as candidaturas de Benedita da Silva, Rosinha Garotinho e Geraldo Magela. Em troca, o contraventor poderia modificar um edital de licitação conforme seus interesses. Além disso, Diniz pede uma comissão na negociação, que seria de 1% do valor total. Mesmo com as denúncias.

As denúncias contra Waldomiro, somadas ao escândalo do mensalão, culminaram na queda de Dirceu do Ministério da Casa Civil.

Álvaro Lins também foi acusado

O ex-secretário de Segurança Pública e deputado estadual Álvaro Lins é mais um acusado de ter íntimas ligações com o jogo do bicho. A primeira denúncia data de 1994, quando ainda era oficial da Polícia Militar. Ele foi citado na Operação Mãos Limpas, que prendeu os maiores chefões do crime organizado carioca, como um dos policiais que estava no “caderninho” dos banqueiros – expressão usada internamente para sinalizar as autoridades compradas pelo crime.

Em 2008, Lins foi preso em flagrante por envolvimento com diversos crimes, entre eles o envolvimento com a máfia dos caça-níqueis, o braço mais lucrativo das antigas quadrilhas de contraventores.

(JORNAL DO BRASIL ONLINE)